Atividade fabril nos EUA tem máxima em mais de 13 anos, mostra PMI

REUTERS/William DeShazer
REUTERS/William DeShazer

A força do setor manufatureiro ajudou a impulsionar a atividade empresarial. O PMI Composto preliminar chegou a 58,0, de 55,3 em dezembro

A atividade manufatureira dos Estados Unidos saltou para o nível mais alto em mais de 13 anos e meio em janeiro, com forte crescimento das novas encomendas, mas gargalos na cadeia de oferta provocados pela pandemia de Covid-19 estão elevando os preços e sinalizando alta da inflação nos próximos meses.

A IHS Markit informou hoje (22) que a leitura preliminar de seu Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) para o setor manufatureiro dos EUA acelerou a 59,1 na primeira metade deste ano, nível mais alto desde maio de 2007, de 57,1 em dezembro. Economistas projetavam queda do índice a 56,5.

Leitura acima de 50 indica crescimento da atividade no setor de manufatura, que responde por 11,9% da economia dos EUA.

A manufatura está sendo sustentada pelo reabastecimento dos estoques e por uma mudança da demanda de serviços para bens devido à crise do coronavírus. Os setores fabril e imobiliário estão ancorando a economia diante do ressurgimento do vírus.

O subíndice de novas encomendas saltou para o patamar mais elevado desde setembro de 2014. Mas os empresários também estão elevando os preços de seus produtos, com o subíndice de preços recebidos pelas fábricas saltando para o maior nível desde julho de 2008.

A força do setor manufatureiro ajudou a impulsionar a atividade empresarial. O PMI Composto preliminar chegou a 58,0, de 55,3 em dezembro, com o dado preliminar do índice de serviços subindo a 57,5, de 54,8 em dezembro.

Vendas de moradias

As vendas de moradias usadas nos Estados Unidos subiram inesperadamente em dezembro, mas o aumento nos preços em meio a estoques em mínimas recordes podem desacelerar a força do mercado imobiliário nos próximos meses.

A Associação Nacional de Corretores informou nesta sexta-feira que as vendas de moradias usadas aumentaram 0,7% no mês passado, para uma taxa anual ajustada sazonalmente de 6,76 milhões de unidades.

Economistas consultados pela Reuters projetavam queda das vendas de 2,0%, para uma taxa de 6,55 milhões de unidades.

Na comparação ano a ano, as vendas de moradias usadas, que respondem pela maior parte do mercado imobiliário, saltaram 22,2%, totalizando 5,64 milhões em 2020, máxima desde 2006. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).