Biden apresenta plano para injetar US$ 1,9 tri na economia atingida pela pandemia

Mark Makela/Gettyimages
Mark Makela/Gettyimages

Os cheques de estímulo seriam emitidos no valor de US$ 1,4 mil, superando os cheques no valor de US$ 600 emitidos de acordo com o último pacote de estímulo do Congresso.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, apresentou uma proposta de estímulo econômico de US$ 1,9 trilhão ontem (14), em que afirmou ser necessário um investimento ambicioso para impulsionar a economia e acelerar a distribuição de vacinas para controlar o coronavírus.

Biden fez campanha no ano passado com a promessa de enxergar a pandemia de forma mais séria que o presidente Donald Trump, e o pacote busca colocar essa promessa em movimento com um influxo de recursos para a distribuição da vacina contra o coronavírus e a recuperação econômica. “Uma crise de profundo sofrimento humano está em vista, e não há tempo a perder”, disse Biden. “Precisamos agir e precisamos agir agora.”

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O pacote inclui US$ 415 bilhões para reforçar a resposta ao vírus e a distribuição de vacinas contra a coronavírus, cerca de US$ 1 trilhão em auxílio direto às famílias e cerca de US$ 440 bilhões para pequenas empresas e comunidades particularmente atingidas pela pandemia.

Os cheques de estímulo seriam emitidos no valor de US$ 1,4 mil, superando os cheques no valor de US$ 600 emitidos de acordo com o último pacote de estímulo do Congresso. O valor do auxílio-desemprego suplementar também aumentaria para US$ 400 por semana, ante os atuais US$ 300 por semana, e seria estendido até setembro, de acordo com as autoridades.

O plano de Biden visa dar início a seu mandato com um grande projeto de lei que coloca em ação, de forma rápida, sua agenda de curto prazo: auxiliar a economia e controlar um vírus que matou mais de 385 mil pessoas nos Estados Unidos.

Também oferece um forte contraste a Trump, que passou os últimos meses de seu governo tentando minar a vitória eleitoral de Biden em vez de concentrar-se no alívio adicional ao coronavírus. Apesar disso, Trump, que deixa o cargo na próxima quarta-feira, apoiou pagamentos de US$ 2 mil aos norte-americanos.

No Congresso, muitos republicanos recusaram a quantia desses pagamentos, e Biden enfrentará obstáculos semelhantes com suas propostas, embora seja auxiliado pelo fato de que seus companheiros democratas irão controlar a Câmara e Senado. O novo presidente buscará aprovar o pacote mesmo em um momento no qual seu antecessor enfrenta um julgamento de impeachment.

MOMENTO PRECÁRIO

Autoridades de transição disseram que o plano de Biden será um pacote de resgate que será seguido por outro pacote de recuperação nas semanas seguintes. O plano estenderia as moratórias sobre execuções hipotecárias e despejos até setembro e incluiria financiamento para aluguel e assistência a serviços públicos.

O presidente eleito também pedirá ao Congresso que aumente o salário mínimo para US$ 15 a hora, e o pacote incluirá ajuda para combater a fome. “Sei que o que acabei de descrever não vem de forma barata, mas não fazer isso nos custará demais”, disse Biden, acrescentando que economistas, instituições financeiras e bancos de Wall Street defendem a necessidade de estímulo.

Os recursos relacionados ao auxílio ao coronavírus irão para um programa nacional de vacinas, testagem, investimentos para os trabalhadores fazerem a divulgação da vacina e rastreamento de contatos, e dinheiro para os Estados.

“As vacinas oferecem tanta esperança, mas a distribuição da vacina nos Estados Unidos tem sido um fracasso lamentável até agora”, disse Biden, acrescentando que irá apresentar hoje (15) seu plano para vacinar 100 milhões de norte-americanos em 100 dias depois de assumir o cargo. As paralisações e restrições relacionadas à pandemia custaram milhões de empregos norte-americanos. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).