CEO da Petrobras não se preocupa com ameaça de greve de caminhoneiros

Sergio Moraes/ Reuters
Sergio Moraes/ Reuters

Em 2018, uma paralisação causou grandes prejuízos econômicos para o país.

“A ameaça de greve de caminhoneiros, que busca pressionar pela redução de preços do diesel, não é problema da Petrobras, que segue praticando preços de paridade internacional”, afirmou hoje (28) o presidente da petroleira estatal, Roberto Castello Branco.

O movimento para uma greve a partir da próxima segunda-feira ganhou nesta semana a adesão da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), uma das principais entidades da categoria no país. Em 2018, uma paralisação causou grandes prejuízos econômicos para o país.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Este é um problema que não é da Petrobras”, afirmou Castello Branco, ao participar de evento online do Credit Suisse. O executivo pontuou que “constantemente grupos de pressão recorrem aos políticos para intervir nos preços da companhia”.

“Todo mundo sabe onde bater, na porta da Petrobras, a empresa não será mais vilã”, ressaltou. “Em função da política de preços independente, sem interferência do governo, seguindo os preços de paridade internacional, temos atraído investidores”, acrescentou o presidente da companhia.

Castello Branco ressaltou ainda, durante sua participação no evento, a importância da venda de refinarias da Petrobras, além dos ativos de distribuição e transporte de gás, em busca de eliminar a posição quase monopolista da companhia. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).