Chefe do FMI vê "alto grau de incerteza" no cenário global

O FMI acredita que uma nova alocação da moeda do próprio Fundo daria aos países mais espaço fiscal para enfrentar a atual crise de saúde

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Christopher Pike
REUTERS/Christopher Pike

O FMI acredita que uma nova alocação da moeda do próprio Fundo daria aos países mais espaço fiscal para enfrentar a atual crise de saúde

Acessibilidade


A chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) disse hoje (18) que as perspectivas econômicas globais permanecem altamente incertas devido à pandemia de coronavírus e que uma crescente divergência entre países ricos e pobres exige que o FMI encontre mais recursos.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse que uma nova alocação da moeda do próprio Fundo, Direitos Especiais de Saque (SDRs, na sigla em inglês), ajudaria a dar aos países mais espaço fiscal para enfrentar a crise de saúde e acelerar o movimento para uma economia digital e verde.

Sob governo de Donald Trump, que está de saída da Casa Branca, os Estados Unidos, maior acionista do FMI, bloquearam tal movimento, argumentando que forneceria mais recursos a países mais ricos, uma vez que a alocação seria proporcional à sua participação acionária.

A ministra sueca das Finanças, Magdalena Andersson, nova presidente do comitê consultivo do FMI, disse a jornalistas que estava claro que a necessidade de liquidez continuava grande e que consultaria os países-membros sobre opções para expandir a liquidez.

Georgieva disse que o FMI aumentou rapidamente o financiamento com condições melhores para mercados emergentes e economias em desenvolvimento, inclusive por meio de doação de cerca de US$ 20 bilhões em SDRs existentes, e que continuaria a desempenhar um papel importante. Mas ela ressalvou que medidas adicionais eram necessárias.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Continuará a ser tão importante, ainda mais importante, sermos capazes de expandir nossa capacidade de apoiar países que ficaram para trás”, disse Georgieva.

Ela observou que a possibilidade de realizar uma nova alocação de SDRs – algo semelhante a um banco central imprimindo dinheiro – nunca foi retirada da mesa pelos membros do FMI e que alguns membros continuaram a discuti-la como possível ação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: