China pressionará gigantes da tecnologia a compartilharem dados de crédito

Barcroft Media / GettyImages
Barcroft Media / GettyImages

Grandes plataformas de internet tendem a resistir à entrega de dados, um ativo crucial que os ajuda a executar operações, gerenciar riscos e atrair novos clientes.

A China vai pressionar gigantes da tecnologia, incluindo Ant Group, Tencent e JD.com, para compartilhar dados de crédito ao consumidor e evitar excesso de empréstimos e fraudes, de acordo com duas pessoas a par do assunto. Grandes plataformas de internet tendem a resistir à entrega de dados, um ativo crucial que os ajuda a executar operações, gerenciar riscos e atrair novos clientes.

O plano é outro indicativo das tentativas de controlar as gigantes da tecnologia do país. Os reguladores chineses, incluindo o Banco Popular da China (PBOC), planejam instruir as plataformas de internet a fornecer seus vastos dados de empréstimos a algumas das agências de crédito em todo o país, disseram duas fontes.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

As agências, que incluem o Centro de Referência de Crédito do PBOC, principal sistema de pontuação de crédito centralizado da China e o Baihang Credit, primeira agência de crédito pessoal licenciada do país, vai compartilhar os dados mais amplamente com bancos e outros credores para uma avaliação adequada riscos e evitar empréstimos excessivos, disseram as pessoas. A Ant e Tencent não quiseram comentar. A JD.com e o PBOC não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

“A China parece estar fazendo uma escolha impopular, embora correta, de sacrificar o paradigma financeiro da mentalidade de ciclo fechado em favor de uma estrutura de identidade digital mais ampla com acesso potencialmente melhor e maior eficiência no longo prazo”, disse Alex Sirakov, fundador da AquariusX, uma consultoria de Xangai.

O plano se soma às propostas recentes para aumentar o escrutínio sobre as gigantes de tecnologia e controlar o crescimento das empresas, principalmente no setor financeiro. A mudança ajudou a provocar o colapso dramático da oferta pública inicial de US$ 37 bilhões da fintech Ant, em novembro.

A mais recente proposta regulatória para empresas de internet ocorre no momento em que Pequim mostra preocupação com o frouxo controle de risco dos bancos, principalmente os menores, nos empréstimos ao consumidor e sua dependência excessiva de plataformas como a Ant para encontrar clientes.

“Os bancos menores geralmente ficam em uma posição mais fraca quando fazem parceria com gigantes como a Ant. Eles contam muito com os dados da Ant para subscrever empréstimos e gerenciar riscos”, disse uma autoridade do órgão regulador, que preferiu não ser identificada devido à sensibilidade do assunto. “Quando a inadimplência acontece, eles têm que arcar com a maior parte das perdas”, acrescentou. E ainda explicou ser crucial que os credores tenham melhor acesso a dados de crédito mais abrangentes e detalhados sobre os tomadores de empréstimos. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).