Datagro eleva previsão de safra de soja do Brasil, mas reduz a do milho

Yuri Smityuk/Getty Images
Yuri Smityuk/Getty Images

As importações de soja dos Estados Unidos pela China aumentaram 52,8% em 2020 em relação ao ano anterior

A produção brasileira de soja deve atingir o recorde de 135,61 milhões de toneladas na safra 2020/21, estimou a consultoria Datagro à Reuters hoje (20), ao elevar sua projeção ante os 134,98 milhões vistos no levantamento anterior. Em relação à temporada anterior, quando foram colhidas 127,15 milhões de toneladas, de acordo com a Datagro, o resultado pode representar uma alta de 7%.

A área plantada passou por uma ligeira revisão para baixo a 38,75 milhões de hectares, ante os 38,79 milhões de hectares da última projeção, divulgada em dezembro, mas segue acima do total semeado em 2019/20 (37,39 milhões de hectares).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Dentre os fatores de estímulo que dominaram a decisão dos produtores pelo cultivo da soja nesta safra, estão os preços médios acima do padrão, a alta produtividade média, a positiva lucratividade bruta da safra“, disse em nota o coordenador de grãos da Datagro, Flávio Roberto de França Junior. Ele também citou a influência positiva vinda da oferta de crédito, a demanda interna e externa aquecida, além de limitação na área da Argentina, a redução de preços na tabela de fretes mínimos e a manutenção do acordo comercial fase 1 entre EUA e China.

As importações de soja dos Estados Unidos pela China aumentaram 52,8% em 2020 em relação ao ano anterior, mostraram dados alfandegários chineses nesta quarta-feira, embora o aumento da compra provavelmente tenha ficado aquém do que era necessário para cumprir o acordo comercial do ano passado entre os países.

MILHO

Apesar da elevação na soja, a Datagro vê números menores para o milho do Brasil. Considerando as duas safras do cereal no país, a área em 2020/21 foi ajustada para baixo para 19,62 milhões de hectares, ante 19,77 milhões no último levantamento, e 3% acima de 2019/20.

Já a estimativa de produção foi reduzida para 109,93 milhões de toneladas, ante 114,04 milhões de toneladas vistas em dezembro, mas cerca de 3% acima das 106,32 milhões de 2019/20. Segundo a consultoria, a produção do cereal de verão deve atingir 24,26 milhões de toneladas, abaixo das 27,33 milhões de toneladas apontadas anteriormente e 7% menor que a última temporada.

Algumas das principais regiões produtoras do milho, como o Rio Grande do Sul, foram fortemente afetadas pela falta de chuvas no início do plantio e desenvolvimento da cultura. A produção potencial para a segunda safra de milho foi revisada pela Datagro para 85,67 milhões de toneladas, ante 86,71 milhões da última projeção, mas 7% acima do ciclo anterior. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).