Dólar baterá R$ 6 com mais deterioração fiscal, prevê Société Générale

REUTERS/Yuriko Nakao
REUTERS/Yuriko Nakao

O Société Générale entrou com recomendação de compra de dólar ante o real em 2 de dezembro, com a moeda a R$ 5,22

Os prêmios de risco na curva de juros vão aumentar e o dólar baterá R$ 6, preveem estrategistas do Société Générale, acreditando que os mercados devem esperar por mais deterioração fiscal no Brasil.

De acordo com relatório do banco divulgado hoje (15), o câmbio sofrerá com lento crescimento econômico, deterioração dos cenários fiscal e de dívida e baixos juros. O noticiário sobre vacinas é positivo, mas pode levar tempo até que o imunizante esteja disponível a todos, num contexto em que os casos de Covid-19 no país estão em alta.

“Além disso, Bolsonaro perdeu capital político nas eleições municipais de novembro, e a baixa visibilidade antes das eleições no Congresso em fevereiro tem prejudicado o cenário para reformas no curto prazo”, disse o banco francês.

O Société Générale entrou com recomendação de compra de dólar ante o real em 2 de dezembro, com a moeda a R$ 5,22. A meta é de R$ 6,0, com “stop” em R$ 4,90.

O dólar era cotado a R$ 5,2712 nesta sexta.

Em 11 de dezembro, o banco iniciou recomendação de alta na inclinação da curva de DI entre os vencimentos janeiro de 2027 e janeiro de 2022, com ponto de entrada em 377 pontos-base, “target” de 540 pontos-base e “stop” em 320 pontos-base. O spread estava em 380,50 pontos-base nesta sexta.

O banco notou que a curva longa seguia pressionada por fracas perspectivas fiscais e de dívida, enquanto o trecho curto se mantinha ancorado pelo Banco Central, que deve manter a Selic na mínima recorde de 2% “pelo menos” ao longo do primeiro semestre, “devido ao amplo hiato negativo e com questões de oferta que afetam a inflação chegando ao fim”.

“A chance de o Banco Central subir os juros no curto prazo não passa de zero”, disse o Société, afirmando que, no mercado, as apostas são de que o Copom começará a elevar a Selic no primeiro trimestre, chegando ao fim do ano com um total de 350 pontos-base de acréscimo.

Os estrategistas do banco francês entendem que, com o Brasil enfrentando uma segunda onda de Covid-19 e a incerteza sobre a disponibilidade de vacinas para a população e se as pessoas querem se vacinar, aumentou o risco de outra “profunda desaceleração econômica e de mais estímulos do que menos”, o que coloca em risco o teto de gastos.

“Consequentemente, os investidores deveriam esperar deterioração adicional das contas públicas. Enquanto isso, prevemos que a relação dívida/PIB ficará em torno de 100% em 2021”, disse a equipe de estratégia para mercados emergentes do Société, chefiada por Jason Daw. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).