Encomendas à indústria dos EUA de novembro superam expectativas

O Departamento de Comércio informou hoje (6) que as encomendas às fábricas cresceram 1,0%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Thomas Barwick/GettyImages
Thomas Barwick/GettyImages

O Departamento de Comércio informou hoje (6) que as encomendas às fábricas cresceram 1,0%

Acessibilidade


Os novos pedidos de produtos fabricados nos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em novembro, e o investimento empresarial em equipamentos mostrou solidez, apontando uma recuperação sustentada na manufatura.

O Departamento de Comércio informou hoje (6) que as encomendas às fábricas cresceram 1,0%, após alta de 1,3% em outubro.

Economistas ouvidos pela Reuters previam acréscimo de 0,7% nas encomendas às fábricas em novembro. Os pedidos caíram 7,3% na comparação anual.

A manufatura, que responde por 11,9% da economia dos EUA, está sendo sustentada por uma mudança na demanda em direção a bens, em detrimento de serviços, por causa da pandemia de Covid-19.

O Departamento de Comércio também informou que os pedidos de bens de capital não relacionados à defesa, excluindo aeronaves – que são vistos como uma medida dos planos de gastos das empresas com equipamentos – avançaram 0,5% em novembro, em vez da taxa de 0,4% informada no mês passado. As remessas de bens de capital essenciais, que são usados ​​para calcular os gastos empresariais com equipamentos no relatório do Produto Interno Bruto (PIB), aumentaram 0,5%, ante taxa de 0,4% relatada antes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os gastos das empresas com equipamentos se recuperaram no terceiro trimestre, encerrando cinco trimestres consecutivos de queda. A economia cresceu a uma taxa de 33,4% no trimestre de julho a setembro, depois de contrair a um ritmo de 31,4% no segundo trimestre, queda mais profunda desde que o governo começou a manter registros, em 1947. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: