FMI pede a países que continuem com forte apoio fiscal e monetário

Mais de 92,22 milhões de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo.

Redação
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/GettyImages
SOPA Images/GettyImages

Mais de 92,22 milhões de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo

Acessibilidade


O Fundo Monetário Internacional (FMI) está recomendando fortemente que os países continuem com grandes esforços fiscais e monetários para sustentar suas economias, dada a incerteza contínua acerca dos riscos representados pelo ressurgimento de casos de Covid-19 e de novas variantes do vírus.

“A economia global está em um momento crítico”, disse o porta-voz do FMI, Gerry Rice, a jornalistas em uma entrevista online. “Resta uma grande incerteza…e a perspectiva de um período ainda muito difícil pela frente, com surtos de infecção e as pessoas continuando a sofrer.”

Rice disse que o FMI divulgará atualização de sua projeção econômica global em 26 de janeiro, a qual refletiria os desenvolvimentos recentes, incluindo o avanço e distribuição de vacinas contra a Covid-19 e novas medidas de estímulo nos Estados Unidos e no Japão.

Em outubro, o Fundo projetou contração do Produto Interno Bruto (PIB) global de 4,4% em 2020, seguida por uma recuperação em 2021, com crescimento de 5,2%.

Mais de 92,22 milhões de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo e quase dois milhões morreram, de acordo com uma contagem da Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, afirmou na semana passada que medidas de estímulo econômico nos Estados Unidos e no Japão ajudariam a impulsionar uma recuperação econômicas em ambos os países no segundo semestre deste ano e sugeriu que possíveis melhores nas previsões devem ocorrer em breve. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: