IBC-Br aponta crescimento de 0,59% em novembro, mas ritmo perde força

Ueslei Marcelino / Reuters
Ueslei Marcelino / Reuters

A atividade econômica do Brasil cresceu em novembro pelo sétimo mês seguido, indicando um final de ano com força, embora o ritmo de recuperação da crise provocada pelo coronavírus tenha desacelerado.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), subiu 0,59% em novembro na comparação com o mês anterior, de acordo com dado dessazonalizado. A leitura de novembro ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,50% no mês.

A atividade econômica do Brasil cresceu em novembro pelo sétimo mês seguido, indicando um final de ano com força, embora o ritmo de recuperação da crise provocada pelo coronavírus tenha desacelerado, mostraram dados do Banco Central hoje (18).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Embora o IBC-Br tenha se recuperado desde o fundo do poço atingido em abril por causa das medidas de contenção do coronavírus, a expansão da atividade apresentou contínua perda de força. Em outubro, o índice cresceu 0,75%, em dado revisado pelo BC de uma alta de 0,86% informada anteriormente. Na comparação com novembro de 2019, o IBC-Br registrou queda de 0,83% e, no acumulado em 12 meses, teve recuo de 4,15%, segundo números observados.

Embora o relaxamento das restrições tenda a ajudar a economia, bem como o auxílio do governo vigente até o fim do ano passado, existem temores tanto de que novos lockdowns rigorosos sejam adotados, quanto em relação ao desemprego em níveis recordes no país.

O setor de serviços vem apresentando as maiores dificuldades de recuperação, já que depende amplamente do contato social. Em novembro, o segmento cresceu 2,6% sobre o mês anterior, mas caminhou para o final de 2020 ainda sem conseguir retornar aos níveis pré-pandemia.

Já a produção industrial chegou ao sétimo mês de crescimento ao subir 1,2% sobre outubro, enquanto as vendas no varejo tiveram queda inesperada de 0,1%, mas permanecem 7,3% acima do patamar pré-pandemia.

O ÍNDICE NESTE ANO

Para 2021, o foco se volta para a vacinação da população, mas também para a situação fiscal do Brasil e para as esperadas reformas.

Depois de muito vaivém e disputas políticas, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a vacinação nacional contra o coronavírus começará às 17h de hoje (18) em todos os Estados após a distribuição de doses da CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac.

Na véspera, a vacinação começou no Brasil com os profissionais de saúde do Hospital das Clínicas, em São Paulo, com a presença do governador paulista, João Doria (PSDB), desafeto político de Bolsonaro e provável adversário dele nas eleições presidenciais de 2022.

A última pesquisa Focus do BC mostra que o mercado espera crescimento de 3,45% do PIB em 2021, depois de contração de 4,35% em 2020. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).