Importações de milho e trigo pela China têm nível recorde em 2020

Getty Images
Getty Images

As importações de milho em 2020 foram mais que o dobro do volume do ano anterior e excederam pela primeira vez sua cota anual, que havia sido fixada em 7,2 milhões de toneladas.

As importações de grãos pela China saltaram para níveis recorde em 2020, mostraram dados da alfândega ontem (18), após um aperto na oferta doméstica de milho ter levado os preços a máximas em anos, o que gerou demanda por importações mais baratas.

A China, maior mercado agrícola do mundo, adquiriu um recorde de 11,3 milhões de toneladas de milho importado no ano passado, incluindo 2,25 milhões de toneladas apenas em dezembro, segundo a Administração Geral de Alfândegas. As importações de milho em 2020 foram mais que o dobro do volume do ano anterior e excederam pela primeira vez sua cota anual, que havia sido fixada em 7,2 milhões de toneladas.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O país também importou um recorde de 8,38 milhões de toneladas de trigo, contra uma cota de 9,64 milhões de toneladas. Em 2019, a China usou apenas 67% de sua cota anual para milho e um terço da cota para trigo.

A compra de grãos globais acelerou na China no ano passado devido à forte demanda do setor de suínos e à redução na oferta doméstica de milho. Porém, as importações devem seguir altas neste ano por motivos similares, segundo analistas. Os futuros do milho na China subiram 40% nos últimos dois meses e atingiram máximas recordes na semana passada. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).