Indústria de veículos tem maior venda de 2020 em dezembro, diz Fenabrave

Ziviani/GettyImages
Ziviani/GettyImages

Na comparação com dezembro de 2019, as vendas do mês passado recuaram 7,1%

Os licenciamentos de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos no Brasil em dezembro subiram 8,4% na comparação com novembro, para 244 mil unidades, maior volume mensal do ano de 2020, segundo dados divulgados hoje (5) pela associação de concessionários Fenabrave.

Antes de dezembro, o maior volume mensal de emplacamentos do ano passado havia ocorrido em novembro, com 225 mil unidades.

Na comparação com dezembro de 2019, as vendas do mês passado recuaram 7,1%, acumulando no ano como um todo recuo de 26,2%, a 2,06 milhões de unidades, segundo os dados da entidade.

Por segmento, os licenciamentos de carros e comerciais leves tiveram alta de cerca de 9% na comparação com novembro, para 232,8 mil unidades. Os emplacamentos de caminhões somaram 9,64 mil unidades, aumento de 6,8% na mesma comparação. As vendas de ônibus novos mantiveram tendência negativa e caíram 11%, para 1,5 mil veículos.

Segundo os dados da Fenabrave, o grupo de montadoras de veículos FCA, formado pelas marcas Fiat e Jeep, teve vendas de cerca de 432 mil carros e comerciais leves em 2020, liderando o mercado brasileiro. Incluindo os números de Peugeot e Citröen, que estão em processo de fusão com a FCA para a formação da Stellantis, as vendas do grupo atingiram no ano passado quase 459 mil unidades.

Em seguida, a General Motors registrou 338,55 mil licencimentos, enquanto o grupo Volkswagen, incluindo as vendas da Audi e VW/Man, teve 338 mil emplacamentos no ano passado. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).