IRB Brasil fecha 2020 com o pior resultado do Ibovespa

Reuters
Reuters

A companhia ponderou, contudo, que excluindo o impacto dos negócios descontinuados, a perda em novembro passa a R$ 80,7 milhões

O IRB Brasil RE teve prejuízo líquido de R$ 124,5 milhões no penúltimo mês de 2020, de acordo com dados divulgados pela resseguradora hoje (22), e ampliou a perda acumulada entre outubro e novembro até R$ 148,3 milhões.

A companhia ponderou, contudo, que excluindo o impacto dos negócios descontinuados, a perda em novembro passa a R$ 80,7 milhões, “explicado quase que em sua totalidade, pelo resultado financeiro do período e pelo desenvolvimento no mês das linhas de property e rural”.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Ao excluir efeitos extraordinários em outubro e o impacto dos negócios descontinuados em novembro, o prejuízo acumulado nesses dois meses se reverte para lucro líquido de R$ 29,6 milhões.

O IRB Brasil RE também divulgou faturamento bruto (prêmio emitido em novembro de R$ 709,8 milhões, um crescimento 10,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, sendo R$ 399,3 milhões no Brasil (+9,3%) e R$ 310,6 milhões no exterior (+11,4%). O faturamento de competência (prêmio ganho), por sua vez, totalizou R$ 350,8 milhões em novembro.

No penúltimo mês do ano passado, ao excluir o efeito de mudança no critério de alocação dos impactos da variação cambial sobre os estoques de provisão, a resseguradora teve R$ 364 milhões em despesa de sinistro, com destaque para o impacto dos negócios descontinuados, na ordem de R$ 71,4 milhões.

“Com isso, o índice de sinistralidade alcançou 103,8% no mês de novembro de 2020. Ao excluirmos os efeitos do impacto dos negócios descontinuados e dos efeitos one-offs do período, o índice de sinistralidade se reduz para 89,5%”, afirmou a empresa. O resultado completo do último trimestre de 2020, bem como de todo o ano passado, está previsto para 18 de fevereiro, após o fechamento do pregão.

As ações do IRB Brasil RE fecharam 2020 com o pior resultado do Ibovespa, com queda de 76,89%, diante de uma crise de confiança após uma série de adversidades envolvendo a empresa, entre elas fraude contábil, que resultou na troca de comando e republicação de resultados financeiros, entre outras medidas. Até a véspera, os papéis acumulavam declínio de 7% em janeiro de 2021.

ELETRONORTE

Em comunicado separado, o IRB Brasil RE informou que o Conselho de Administração da Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) aprovou acordo judicial, pelo qual a resseguradora deve receber aproximadamente R$ 358 milhões, do total de R$ 390 milhões, a ser pago à vista.

A ação, que envolve a Sul América e outras seguradoras, buscava o ressarcimento dos valores pagos à empresa Alumínio Brasileiro (Albras), por força de contrato de seguro, em decorrência de sinistro envolvendo interrupção de energia elétrica, cujo fornecimento era responsabilidade da Eletronorte. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).