Maioria dos beneficiários do auxílio emergencial não conseguiu nova fonte de renda, mostra Datafolha

NurPhoto/GettyImages
NurPhoto/GettyImages

O governo federal passou a pagar o auxílio emergencial em julho, inicialmente de R$ 600 e, a partir de outubro, quando foi estendido até dezembro, no valor de R$ 300.

Pesquisa Datafolha divulgada hoje (25) mostra que 69% das pessoas que receberam o auxílio emergencial pago pelo governo federal até dezembro de 2020 não encontraram uma fonte de renda para substituir o benefício, enquanto 62% não conseguiram guardar dinheiro para quando o auxílio acabasse.

A pesquisa, realizada por telefone com 2.030 entrevistados, mostrou ainda que 89% das pessoas que receberam o auxílio já receberam a última parcela. O levantamento apontou também que 58% dos entrevistados que receberam pelo menos uma parcela do auxílio tiveram perda de renda durante a epidemia. Em dezembro, esse número era de 51%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O governo federal passou a pagar o auxílio emergencial em julho, inicialmente de R$ 600 e, a partir de outubro, quando foi estendido até dezembro, no valor de R$ 300. Este mês, os beneficiários já ficaram sem a ajuda governamental. As dificuldades econômicas pelas quais os brasileiros estão passando, que dependiam do auxílio emergencial, coincidem com uma queda na popularidade do presidente Jair Bolsonaro, registrada também pelo Datafolha na semana passada.

Pesquisa do início de dezembro mostrou que Bolsonaro mantinha seu melhor nível de aprovação desde o início do seu mandato, com 37% de entrevistados avaliando seu governo como bom ou ótimo. Já o último levantamento mostrou que apenas 31% dos entrevistados mantém a avaliação positiva, enquanto aqueles que classificam seu governo como ruim ou péssimo subiram de 32% para 40%. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).