Mercado passa a ver Selic mais alta nos próximos dois anos

Após ano com mínima histórica, previsão semanal aumenta 0,25%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Amanda Perobelli
REUTERS/Amanda Perobelli

O levantamento semanal mostrou que a Selic passou a ser estimada agora em 3,25% em 2021 e em 4,75% em 2022.

Acessibilidade


De acordo com a pesquisa Focus do Banco Central divulgada hoje (11), a taxa básica de juros será mais alta nos próximos dois anos. O levantamento semanal mostrou que a Selic passou a ser estimada agora em 3,25% em 2021 e em 4,75% em 2022, respectivamente de 3% e 4,50% na semana anterior.

A taxa básica de juros encerrou o ano passado na mínima histórica de 2%, e a primeira reunião do ano do Comitê de Política Monetária acontece nos dias 19 e 20 de janeiro. A Selic deve encerrar 2021 a 2,88% na mediana das projeções e 2022 a 4,0%, contra 3,0% e 4,0% respectivamente antes, afirma Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Para a inflação, as contas dos especialistas consultados mostram alta do IPCA de 4,37% em 2020, indo a 3,34% neste ano e a 3,50% em 2022. As projeções anteriores eram de 4,38%, 3,32% e 3,50% respectivamente.

O centro da meta oficial de 2020 é de 4%, para 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5% acima ou abaixo. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgará os números do IPCA de dezembro e do acumulado em 2020 amanhã (12). Para o Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa de crescimento em 2021 é de 3,41%, 0,01 ponto percentual a mais do que na pesquisa anterior, caindo 2,50% em 2022. (com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: