O gênio do fundo de hedge que deu início ao rally de 4,800% da GameStop

Astrid Stawiarz/GettyImages
Astrid Stawiarz/GettyImages

Disparada no valuation da GameStop para US$ 14 bilhões – tornando milionários alguns traders – tem sido às custas de fundos de sucesso

Michael Burry, o investidor de fundos de hedge que ganhou milhões vendendo hipotecas subprime (hipotecas com classificação de crédito abaixo da média) durante a crise de 2008 e foi dramatizado por Christian Bale em “A Grande Aposta” (The Big Short, em inglês), fez uma jogada ousada durante a pandemia do coronavírus.

O fundo de hedge de Burry, o Scion Asset Management, divulgou a compra de 5,3% do varejista de videogames GameStop entre US$ 2 e US$ 4,2 por ação, aportando o total de aproximadamente US$ 15 milhões. A jogada de Burry era impulsionar a GameStop e usar o dinheiro na recompra de ações. Em uma carta redigida para o Conselho da GameStop, Burry pediu que a empresa esgotasse sua autorização para recompra de ações de US$ 300 milhões. Na época, a capitalização de mercado total da GameStop era de US$ 300 milhões.

A jogada de Burry ajudou a desencadear uma das negociações mais malucas e descontroladas da história financeira, que gerou bilhões de dólares em lucros no papel para alguns investidores, incluindo muitos especuladores amadores, e causou perdas em bilhões para alguns dos fundos de hedge mais sofisticados.

Enquanto Burry construía sua posição, os papéis da GameStop subiram de US$ 2,57 para mais de US$ 365, apoiados na especulação de amadores via posts no Reddit. O rally nas ações lembra a alta da Volkswagen em 2008, para meio trilhão de dólares de capitalização de mercado durante as profundezas da crise de 2008, o que levou a cerca de US$ 30 bilhões em perdas em fundos de hedge.

A pedido de Burry e outros investidores, a GameStop comprou de volta cerca de US$ 200 milhões em ações desde 2019, reduzindo em 38% suas ações em circulação. As recompras combinadas com apostas maciças de fundos de hedge contra a GameStop, que sofre com o declínio nas vendas de videogames nas lojas físicas, fez com que a companhia terminasse 2020 entre as empresas com ações mais negociadas no mundo.

No grupo de discussão ‘r/wallstreetbets’ do Reddit, usuários da plataforma desafiam os fundos e operam há meses para impulsionar os papéis da GameStop, mas os catalisadores para os preços vieram também do investimento do empresário e dono da rede de varejo Chewy, Ryan Cohen, e do crescimento nas vendas do PlayStation. Os usuários do Reddit aproveitaram o movimento para impulsionar ainda mais o ativo, o que gerou uma valorização de 881% nas ações da GameStop desde dezembro.

A batalha é semelhante a um confronto visto há 15 anos entre traders profissionais e grandes fundos. Em 2006, o bilionário John Arnold negociou com Brian Hunter, do fundo de hedge Amaranth Advisors, uma transação gigante de futuros de gás natural. O duelo rendeu uma fortuna a Arnold, mas custou à Amaranth US$ 6 bilhões e causou o fim do fundo.

A disparada no valuation da GameStop para US$ 14 bilhões – tornando milionários alguns traders – tem sido às custas de alguns fundos de sucesso. O fundo de hedge Melvin Capital, um dos mais vendidos (apostando na baixa do ativo) na GameStop, perdeu 30% na segunda-feira (25), de acordo com o Wall Street Journal, e exigiu um aporte de US$ 2,7 dos bilionários Ken Griffin e Steven A. Cohen, da Citadel e Point 72 Asset Management, respectivamente, para se manter no jogo.

Agora, o touro dos fundos de hedge da GameStop, Michael Burry, possivelmente a pessoa que instigou as circunstâncias atuais com sua enorme recompra, diz que o short squeeze – termo para quando uma ação tem forte valorização em curto espaço de tempo – é “anormal, insano e perigoso”. Em um tweet, Burry disse que deve haver repercussões legais e regulatórias do aumento.

Talvez Burry esteja tentando colocar uma tampa na caixa de pandora que ele ajudou a abrir, ou pode estar sofrendo da síndrome Fomo, que significa o medo de deixar de participar de alguma tendência. Os 3,4 milhões de ações que Burry comprou por cerca de US$ 15 milhões valeriam US$ 710 milhões a preços atuais, tornando-o um quase bilionário.

Infelizmente para Burry, os registros analisados ​​pela Forbes indicam que ele vendeu seus papéis da GameStop antes que a diversão realmente começasse. Em 30 de setembro, Burry possuía apenas 1,7 milhão de ações e é mais que provável que ele tenha vendido mais ativos desde então.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).