Preços do petróleo caem com novos lockdowns e dólar mais forte

Nick Oxford/Reuters
Nick Oxford/Reuters

A China continental viu seu maior aumento diário em infecções por vírus em mais de cinco meses, disseram as autoridades.

Os preços do petróleo Brent caíram até US$ 1 por barril hoje (11), atingidos por novas preocupações sobre a demanda global por combustíveis em meio a fortes bloqueios para conter o coronavírus em todo o mundo, bem como um dólar americano mais forte.

O petróleo Brent caía US$ 0,57, ou 1%, a US$ 55,42 por barril às 09:05, horário de Brasília, após recuar US$ 1 para o patamar mais baixo da sessão de US$ 54,99. Já o petróleo dos Estados Unidos (WTI) perdia US$ 0,26, ou 0,5%, para US$ 51,98 o barril.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“As novas preocupações sobre a demanda devido ao número muito alto de novas infecções por coronavírus e outras restrições de mobilidade, além do dólar americano mais forte, estão gerando pressão de venda”, disse o analista do Commerzbank, Eugen Weinberg.

Os casos de coronavírus em todo o mundo ultrapassaram 90 milhões, de acordo com uma contagem da Reuters. Apesar dos rígidos lockdowns nacionais, a Grã-Bretanha está enfrentando as piores semanas da pandemia e, na Alemanha, os casos ainda estão aumentando.

“A recuperação da demanda de petróleo está estagnada na Europa, em particular devido aos bloqueios prolongados. As preocupações com a demanda chinesa também estão crescendo devido ao aumento nos casos de coronavírus no país, já que os comerciantes temem novos bloqueios”, disse Bjornar Tonhaugen, analista da Rystad Energy.

A China continental viu seu maior aumento diário em infecções por vírus em mais de cinco meses, disseram as autoridades, com o aumento de novas infecções na província de Hebei, que circunda a capital, Pequim. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).