Presidente do BC do Japão diz que política monetária tem alguns limites

Masahiro Makino / GettyImages
Masahiro Makino / GettyImages

O Presidente do BC japonês também alertou que o Japão precisa melhorar a sustentabilidade de suas finanças

O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, afirmou hoje (26) que há limites para o que a política monetária pode fazer, depois que anos de forte impressão de dinheiro falharam em elevar os preços de forma sustentável.

As declarações dele são uma rara admissão da dificuldade que o Banco do Japão enfrenta em atingir sua meta de inflação de 2%, e destacam a batalha que os principais bancos centrais enfrentam em conter choques como a pandemia de coronavírus com uma caixa de ferramentas cada vez menor.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Kuroda disse que os bancos centrais são, em última instância, responsáveis por impedir inflação excessiva ou deflação, já que o tamanho da impressão de dinheiro afeta as movimentações de preços no longo prazo.

“Mas quando se olha o que aconteceu, o Banco do Japão adotou um volume máximo de estímulo e ainda assim não alcançamos nossa meta de inflação de 2%. Isso mostra que a política monetária tem alguns limites”, disse ele ao Parlamento nesta terça-feira. “Assim como outros bancos centrais, nós nos sentimos responsáveis por não atingir nossa meta de preços”, completou.

O Presidente do BC japonês também alertou que o Japão precisa melhorar a sustentabilidade de suas finanças já que sua situação fiscal está em “uma situação extremamente séria”. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).