SLC Agrícola tem aprovação do Cade para aquisição da Terra Santa

iStock
iStock

A SLC Agrícola vai assumir as operações da Terra Santa Agro, em transação avaliada em R$ 550 milhões

A SLC Agrícola recebeu aprovação sem restrições do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para a aquisição da totalidade da Terra Santa Agro, segundo publicação do órgão antitruste no Diário Oficial da União hoje (7).

A SLC divulgou no final de novembro passado a assinatura de um memorando de entendimento com termos e condições para assumir as operações da Terra Santa Agro, em transação avaliada em R$ 550 milhões.

LEIA MAIS: Com ou sem crise, boom de IPOs do agronegócio brasileiro deve continuar

O negócio envolverá uma reorganização societária prévia da Terra Santa Agro, que criará um veículo (TS LAndCo) para segregar ativos e passivos vinculados às propriedades rurais da companhia, que estarão excluídos da operação.

“Com isso, a presente operação abrange parcialmente as atividades da Terra Santa, focando-se nas atividades de produção e comercialização de soja, milho e algodão“, explicou o Cade em parecer sobre o negócio.

Segundo o órgão estatal, a aquisição “não levanta maior preocupações em termos concorrenciais” e foi aprovada em rito sumário, sem restrições.

A SLC informou em novembro que a compra da Terra Santa será feita por incorporação de ações e que a relação de troca na transação deverá considerar um valor líquido (“equity value”) de R$ 65 milhões, enquanto o valor remanescente da operação equivale a assunção de dívida e/ou caixa. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).