Vendas no varejo caem 9,8% em dezembro e fecham ano com pior resultado desde 2014

Ricardo Moraes / Reuters
Ricardo Moraes / Reuters

Com o resultado, o comércio varejista fecha 2020 com retração de 13,9%, pior resultado desde que o ICVA começou a ser produzido, em 2014, afirmou a companhia.

As vendas no varejo brasileiro recuaram 9,8% em dezembro frente ao mesmo mês de 2019, descontada a inflação, segundo o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), que monitora 1,4 milhão de varejistas credenciados à empresa de meios de pagamentos.

Com o resultado, o comércio varejista fecha 2020 com retração de 13,9%, pior resultado desde que o ICVA começou a ser produzido, em 2014, afirmou a companhia. “Os anos de 2017, 2018 e 2019 haviam sido de retomada, após a crise econômica dos anos anteriores, mas infelizmente em 2020 a pandemia acabou impactando muito fortemente as vendas no varejo”, disse o diretor de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto. Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, houve queda de 3,4% em dezembro e de 10,4% no ano.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A Cielo destacou que as quedas são ainda maiores se desconsiderados os efeitos de calendário, que nesse mês beneficiaram o resultado do varejo. Excluindo esses efeitos, houve declínio real de 10,9% e retração nominal de 4,6%. “Em dezembro, o varejo voltou a desacelerar, assim como havia ocorrido em novembro, interrompendo uma tendência de recuperação que vinha desde abril, possivelmente já refletindo um impacto da nova onda do coronavírus”, afirmou Mariotto em nota. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).