AES Brasil dispara o lucro líquido a R$ 602,6 mi após resolução do risco hidrológico

A AES Brasil registrou lucro líquido de R$ 602,6 milhões no quarto trimestre de 2020, aumento de 471% na comparação com o mesmo período do ano anterior, por efeito de resoluções sobre o risco hidrológico (GSF). No ano de 2020, o lucro líquido subiu 182,6%, para R$ 848 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) atingiu R$ 1,17 bilhão no quarto trimestre, aumento de mais de 300%, decorrente do ressarcimento do GSF no montante de R$ 947 milhões. A geração de fonte hídrica, que responde pela maior parte da empresa, caiu 3,5% no ano, a de eólica recuou 7,6%, e a solar 42,8%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Para a empresa, um dos grandes destaques de 2020 foi a resolução do GSF, “um imbróglio de longa data e de extrema importância para a AES Brasil e para o setor elétrico como um todo”. “Com isso, reconhecemos nos resultados do 4T20 o montante de R$ 947 milhões, referentes ao ressarcimento dos riscos não hidrológicos aplicados retroativamente”, informou a empresa.

A elétrica destacou também que em janeiro de 2021 a AES Brasil se apresentou voluntariamente para pagamento do saldo em aberto referente à liminar GSF, que afetava negativamente o resultado financeiro da companhia. O pagamento ocorreu no início de janeiro, no montante de R$ 1,3 bilhão.

A receita líquida da companhia no trimestre aumentou 3,2%, enquanto no ano teve leve alta de 0,6%, para pouco mais de R$ 2 bilhões. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).