Atividade fabril desacelera e vendas de moradias disparam nos EUA

Monty Rakusen/GettyImages
Monty Rakusen/GettyImages

O índice PMI composto subiu para 58,8 no dado preliminar deste mês, ante leitura final de 58,7 em janeiro

A atividade fabril nos Estados Unidos desacelerou no início de fevereiro, provavelmente com uma escassez global de chips semicondutores afetando a produção nas fábricas de automóveis, enquanto os preços dos insumos e de produtos manufaturados dispararam, o que pode aumentar temores de forte aumento da inflação neste ano.

A empresa de dados IHS Markit informou hoje (19) que seu PMI do setor manufatureiro dos EUA caiu para 58,5 na primeira metade deste mês, de uma leitura final de 59,2 em janeiro. O clima extremo em grande parte dos Estados Unidos também foi citado como razão para a queda do índice.

O dado veio em linha com as projeções de economistas, com leitura acima de 50 indicando crescimento da manufatura, que responde por 11,9% da economia norte-americana. O setor avançou à medida que a pandemia de Covid-19 deixou norte-americanos presos em casa, transferindo a demanda para bens domésticos em detrimento de serviços como viagens aéreas e hospedagem em hotéis.

Mas o coronavírus interrompeu o trabalho de fornecedores e fabricantes, levando à escassez de produtos essenciais para os processos de produção. Os fabricantes de veículos automotores foram atingidos pela escassez de chips semicondutores, o que levou alguns a fechar temporariamente as plantas neste mês.

A medida de preços pagos pelos fabricantes da pesquisa do IHS Markit atingiu seu nível mais alto desde abril de 2011. Os fabricantes também estão repassando custos mais altos aos consumidores. O indicador da pesquisa para preços recebidos pelas fábricas alcançou o nível mais alto desde julho de 2008.

Enquanto a expansão da manufatura esfriou, a atividade na indústria de serviços ganhou impulso neste mês. A leitura preliminar da atividade do setor de serviços em fevereiro subiu para 58,9, de uma leitura final de 58,3 em janeiro.

O número mais alto desde março de 2015 veio com a queda das novas infecções e taxas de hospitalização por Covid-19, permitindo às autoridades reverter algumas restrições sobre restaurantes e outras empresas voltadas para o consumidor.

O setor de serviços, que responde por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, foi o que mais sofreu com a pandemia.

A melhora das condições no setor de serviços ajudou a apoiar a atividade empresarial geral neste mês.

O índice PMI composto, que acompanha os setores de manufatura e serviços, subiu para 58,8 no dado preliminar deste mês, ante leitura final de 58,7 em janeiro.

Vendas de moradias

As vendas de moradias usadas nos Estados Unidos tiveram em janeiro alta inesperada, apesar de os estoques baixos terem impulsionado os preços das casas.

A Associação Nacional de Corretores de Imóveis dos EUA disse nesta sexta-feira que as vendas de moradias usadas subiram 0,6%, para uma taxa anual ajustada sazonalmente de 6,69 milhões de unidades, no mês passado. As vendas têm aumentado mesmo com a redução dos contratos.

Economistas consultados pela Reuters previam que as vendas cairiam 1,5%, para uma taxa de 6,61 milhões de unidades.

As revendas de moradias, que respondem pela maior parte das vendas nos EUA, saltaram 23,7% na comparação anual. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).