Bezos x Musk: o duelo dos mais ricos do mundo

Getty Images
Getty Images

Bezos e Musk competiram pelo primeiro lugar no ranking dos bilionários da Forbes

Os dois primeiros meses de 2021 mostraram uma disputa acirrada pelo posto de homem mais rico do mundo entre Elon Musk e Jeff Bezos. No dia 8 de janeiro, graças à valorização de 8,2% das ações da fabricante de veículos elétricos Tesla, o patrimônio líquido de Musk aumentou US$ 12,5 bilhões, elevando sua fortuna para US$ 189,7 bilhões, deixando o então CEO da Amazon e seus US$ 185 bilhões para trás.

Os números de Musk nos primeiros dias do ano seguem a escalada que ele realizou a partir do início de novembro, quando começou a ultrapassar os nomes do topo da lista: Mark Zuckerberg (o então quarto colocado), Bill Gates (o terceiro) e, já em dezembro, o vice-líder do ranking, o magnata francês Bernard Arnault.

VEJA MAIS: De Elon Musk a Snoop Dogg, conheça os super poderes dos influenciadores no mercado financeiro

A liderança de Musk, no entanto, não durou muito. Oito dias depois, em 16 de janeiro, Jeff Bezos reassumiu o posto de mais rico do mundo após a queda de mais de 2% das ações da Tesla. Na ocasião, analistas explicaram que tal performance poderia ter sido motivada pela baixa dos papéis do setor de tecnologia devido ao pacote de estímulos de US$ 1,9 trilhão divulgado pelo presidente norte-americano Joe Biden.

A batalha pelo topo ganhou novos números em 6 de fevereiro, quando as ações de tecnologia dispararam e despejaram na conta de Elon Musk mais US$ 11,5 bilhões (as ações da Tesla subiram 7,4%) – ao todo, os dez maiores ganhadores da ocasião adicionaram US$ 74 bilhões a seus patrimônios líquidos.

Naquela semana, a Amazon ganhou 4,6% após perder 2,7% na semana anterior, o que fez Jeff Bezos acrescentar US$ 7,7 bilhões ao seu patrimônio mesmo depois de anunciar que deixaria o cargo de CEO da empresa que comandou por 26 anos. Andy Jassy, chefe da Amazon Web Service, virou o novo CEO, enquanto Bezos assumiu o posto de presidente-executivo do Conselho da Amazon. O executivo faz tal movimento da melhor forma: com a companhia em alta. As ações da Amazon aumentaram mais de 63% em 2020, graças ao comércio eletrônico motivado pela pandemia. No final de 2020, a Amazon teve seu melhor trimestre de todos os tempos, garfando mais de US$ 125 bilhões em receita.

No início de fevereiro, então, o placar de bilhões de dólares pendia para o lado de Bezos, o mais rico da Terra: 194,7 contra os 184,3 de Musk.

Reportagem publicada na edição 84, lançada em fevereiro de 2021.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).