CEO da Petrobras não planeja deixar empresa por pressões de Bolsonaro

Castello Branco ainda tem apoio para continuar na empresa, mesmo diante de desacordo com o presidente .

Redação
Compartilhe esta publicação:
NurPhoto/GettyImages
NurPhoto/GettyImages

Castello Branco ainda tem apoio para continuar na empresa, mesmo diante de desacordo com o presidente

Acessibilidade


O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, não pretende pedir demissão da companhia, apesar de pressões do presidente Jair Bolsonaro para que ele o faça, devido a questões relacionadas a aumentos dos combustíveis, disseram duas fontes com conhecimento direto do assunto à Reuters hoje (19).

“Não vai ceder e não pretende sair”, disse uma das fontes, na condição de anonimato. “Já houve um tempo em que o conselho (de administração da empresa) era pró-governo, e agora é independente”, acrescentou, e argumentou que o CEO tem apoio para continuar na empresa.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Na véspera, Bolsonaro afirmou em transmissão pelas redes sociais que vai ter consequência a fala do presidente da Petrobras, que dias atrás havia dito que a ameaça de greve de caminhoneiros não era problema da companhia.

O comentário do presidente foi feito após o anúncio ontem (18) de que a empresa elevará em cerca de 15% o preço médio do diesel nas refinarias e em mais de 10% o da gasolina, a partir desta sexta-feira.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Bolsonaro anunciou ainda na noite de quinta-feira que vai zerar em definitivo os impostos federais sobre o gás de cozinha e por dois meses os que incidem sobre o diesel, neste caso, com o objetivo de contrabalançar o reajuste, que considerou excessivo, da Petrobras.

A isenção de impostos é mais um dos acenos que o governo tem feito aos caminhoneiros, uma categoria que vem sendo contemplada com decisões favoráveis do presidente. Integrantes da categoria ameaçaram com uma greve no início do mês, mas o movimento não ganhou adesão.

Bolsonaro defendeu também novamente a aprovação de um projeto, enviado pelo governo ao Congresso na semana passada, que tem por objetivo reduzir a volatilidade na alíquota do ICMS que incide sobre combustíveis.

Também disse que o governo prepara um decreto para obrigar os postos de combustíveis a divulgar qual o percentual de custos de cada um dos tributos na composição do insumo para venda ao consumidor.

A decisão do aumento de preços da Petrobras, de outro lado, foi bem recebida pelo mercado, especialistas disseram que o reajuste levou os preços de volta ou próximos da paridade de importação, o que evitaria perdas para a companhia. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: