Debate de Elon Musk com presidente do Robinhood impulsiona popularidade do aplicativo Clubhouse

REUTERS/Joe Skipper
REUTERS/Joe Skipper

Disponível apenas para iPhone, o aplicativo Clubhouse obteve 1,1 milhão de instalações nos últimos seis dias

Uma inesperada conversa entre o bilionário da tecnologia Elon Musk e o presidente-executivo do aplicativo de investimentos Robinhood, Vlad Tenev, na Clubhouse ajudou a impulsionar a popularidade da nova rede social baseada em áudio e iniciou uma corrida por convites de acesso ao serviço exclusivo.

A interação entre os dois empresários na plataforma no domingo veio em meio a um intenso interesse por notícias sobre o Robinhood, o aplicativo envolvido em uma feroz batalha no mercado de ações entre investidores de varejo e grandes fundos de Wall Street.

A demanda por convites para o Clubhouse – membros podem convidar um número limitado de amigos durante o período de pré-lançamento – é tão grande que o mercado para eles cresceu em plataformas como Reddit, eBay e Craigslist.

Na China, os convites estão sendo vendidos no marketplace de produtos usados Idle Fish, do Alibaba, embora o Clubhouse não esteja disponível na loja de aplicativos da Apple naquele país. Na terça, a empresa de análise de dados Sensor Tower disse que havia cerca de 3,6 milhões de instalações do aplicativo em todo o mundo – disponível apenas para iPhone – com 1,1 milhão de instalações nos últimos seis dias.

Investidores estão tão famintos por uma participação no aplicativo que, em um momento na segunda, as ações do Clubhouse Media Group, que é de uma empresa não relacionada ao aplicativo, eram negociadas em alta de 117%.

A empresa chinesa de tecnologia Agora, listada na Nasdaq, viu suas ações saltarem 30% em meio a reportagens de que pode ser uma parceira de tecnologia do Clubhouse. A Agora se recusou a comentar, enquanto uma porta-voz do Clubhouse se recusou a responder questões sobre parceiros de tecnologia.

A última rodada de financiamento da empresa sediada em San Francisco em 24 de janeiro avaliou a companhia em US$ 1 bilhão, disse uma fonte familiarizada com o assunto. O investimento foi liderado pela Andreessen Horowitz, uma empresa de capital de risco do Vale do Silício.

Em meio à sua popularidade, o Clubhouse também atraiu reações daqueles que criticam a natureza privada das conversas do aplicativo, como a que ocorreu entre Musk e Tenev.

Jessica Lessin, editora-chefe do veículo jornalístico de tecnologia The Information publicou no Twitter que Marc Andreessen, sócio-fundador da Andreessen Horowitz, que também investiu no Robinhood, impediu muitos repórteres de ouvir a conversa.

A conversa entre Musk e Tenev ocorreu em um evento regular do Clubhouse chamado “The Good Time Show”.

A Andreessen Horowitz não respondeu ao pedido da Reuters para comentar o assunto. No entanto, o presidente-executivo do Clubhouse, Paul Davidson, disse à Bloomberg TV na segunda que os anfitriões do evento poderiam escolher quem tem permissão para ouvir, ressaltando as preocupações sobre a natureza privada do aplicativo. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).