Fabricantes de chips na Ásia correm para acelerar produção

VCG/GettyImages
VCG/GettyImages

A SMIC aponta que as interrupções na cadeia de abastecimento causadas por sanções impostas pelos EUA sejam principal fonte para o problema de oferta

Fabricantes asiáticos de chips estão correndo para expandir a capacidade de produção para atender a uma escassez global que tem sido sentida de forma aguda pelas montadoras de veículos, mas as empresas alertam que a lacuna de fornecimento pode levar muitos meses para ser preenchida.

Fabricantes de automóveis, como General Motors, Stellantis e Honda estão parando linhas de montagem devido à escassez, em alguns casos exacerbada pelo governo de Donald Trump nos Estados Unidos, que aplicou sanções contra fábricas de chips chinesas.

Fábricas de chips principalmente de empresas asiáticas, que tendem a fazer chips mais antigos e menos sofisticados, estão particularmente sob pressão, principalmente devido ao baixo investimento em anos recentes. A maioria dessas fábricas é usada para fazer chips de automóveis.

“Estamos sob grande pressão”, disse Zhao Haijun, co-presidente da maior fabricante de chips da China, Semiconductor Manufacturing International, ao anunciar semana passada planos de expandir a capacidade de sua fábrica este ano.

No entanto, a empresa alertou que o aumento da capacidade não ocorre rapidamente devido a prazos de entrega de equipamentos mais longos, uma vez que lida com interrupções na cadeia de abastecimento causadas por sanções impostas pelos EUA.

“Basicamente, temos pelo menos uma videoconferência por dia com um cliente sobre como podemos aumentar a capacidade, quais ajustes nós podemos fazer em produtos”, disse Zhao.

A TSMC, maior fabricante de chips contratados do mundo, disse que está acelerando produtos ligados a automóveis por meio de suas fábricas de chips e realocando capacidade. A empresa também vai ampliar investimento na produção e desenvolvimento de chips avançados entre US$ 25 bilhões e US$ 28 bilhões este ano.

A United Microelectronics (UMC), outra fabricante de chips taiwanesa, planeja investir US$ 1,5 bilhão em novos equipamentos neste ano, um aumento de 50% em relação a 2020.

A SK Hynix, da Coreia do Sul, maior fabricante de chips de memória, disse que está acelerando planos de realocar suas instalações de 8 polegadas para a China. A empresa quer que a realocação aconteça “assim que possível”.

A Renesas Electronics disse que está negociando a compra da designer anglo-alemã de chips Dialog Semiconductor por cerca de US$ 6 bilhões em dinheiro.

A combinação de escassez de oferta e aumento da demanda infla os preços. A UMC espera que os preços gerais dos chips subam 4% a 6% este ano, enquanto a Renesas disse que vai aumentar os preços de chips automotivos em 15%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).