Ibovespa fecha em queda com Petrobras e incertezas fiscais

O Ibovespa terminou o dia em queda de 0,45% com 119.696 pontos, descolando do exterior em movimento de cautela do mercado após a confirmação na tarde de hoje de que o governo negocia a retomada do auxílio emergencial ou outra forma de apoio financeiro à população mais atingida pela crise do coronavírus.

A Petrobras entre as maiores pressões de baixa em meio a preocupações com ruídos envolvendo a política de preços da companhia. Os preços do petróleo avançaram 2% e atingiram o maior nível em um ano nesta segunda-feira, com o Brent superando a marca de US$ 60 por barril, impulsionados por cortes de oferta entre importantes países produtores e expectativas de novos estímulos econômicos nos Estados Unidos.

O petróleo Brent fechou em alta de US$ 1,22, ou 2,1%, a US$ 60,56 por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) avançou US$ 1,12, ou 2%, para US$ 57,97 o barril. Ambas as referências alcançaram os mais altos patamares desde janeiro de 2020.

Em cerimônia no Planalto, o presidente Jair Bolsonaro confirmou a negociação, lembrando ainda que qualquer medida deve ser tomada levando em conta o compromisso do governo com o mercado e com os investidores.

Estamos negociando com Onyx Lorenzoni, Paulo Guedes, (Rogério) Marinho, entre outros, a questão de um auxílio ao nosso povo que está ainda em uma situação bastante complicada”, disse Bolsonaro.

“Temos um cuidado muito grande com o mercado, com os investidores e com os contratos, que devem ser respeitados. Nós não podemos quebrar nada disso, caso contrário não teremos como garantir que o Brasil será diferente lá na frente”, destacou o presidente.

O formato do novo auxílio ainda está em construção, de acordo com Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, mas deve ser em um valor menor que as últimas parcelas e também atender metade das pessoas que foram atendidas pelo auxílio pago no ano passado.

A notícia fez o dólar terminar o dia em queda contra o real, caindo 0,23% a R$ 5,37, com investidores colocando um prêmio no preço da moeda. O mercado conta ainda com a possibilidade de aprovação de medidas que compensem o impacto fiscal de um novo auxílio, como a PEC Emergencial.

No cenário traçado por Victor Scalet, economista e estrategista macroeconômico da XP, há chances de um auxílio emergencial que custe em 2021 entre R$ 30 bilhões e R$ 50 bilhões, mas ele ressaltou ser preciso que haja medidas de compensação a esse aumento do gasto também em 2022. A expectativa da XP é que o dólar feche 2021 em R$ 4,90, apoiado em projeção de superávit em conta corrente.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O real segue como a moeda mais volátil do mundo e uma das que registram maior desvalorização relativa. Segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2020 o desalinhamento cambial médio ficou negativo em 22,2%, uma forte reversão ante o desalinhamento cambial positivo de 3,0% de 2019.De acordo com Emerson Marçal, coordenador do FGV EESP e um dos autores do estudo, a piora na variável exportações pode ajudar a reduzir a divergência entre as taxas de câmbio do modelo e efetivas, mas não pela valorização do real, e sim pela deterioração dos fundamentos.“Se isso (queda das exportações) se confirmar, vai atrapalhar o mercado de câmbio. É um sinal amarelo que se acende. Talvez os fundamentos externos da economia tenham começado a piorar”, disse.

Em Wall Street, as ações aumentaram em direção aos recordes na segunda-feira, com os investidores apostando que uma nova rodada de gastos com estímulo impulsionaria a economia.

Os democratas fizeram uma série de votos na semana passada desbloqueando um processo chamado reconciliação, que permitirá ao partido aprovar o plano de ajuda do presidente Biden de US$ 1,9 trilhão sem o apoio republicano no Senado. Os legisladores da Câmara pretendem finalizar e votar um projeto de lei de alívio antes do final de fevereiro.

Ao mesmo tempo que o yield dos títulos de tesouro dos EUA de 30 anos ultrapassou 2% hoje, pela primeira vez em um ano. A mudança ocorre em meio a um recente aumento nos rendimentos dos títulos de longo prazo em comparação com a dívida de curto prazo, já que existem apostas que o estímulo governamental acelerará a recuperação do crescimento econômico. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).