IPCA-15 desacelera a 0,48% em fevereiro, mas atinge maior nível mensal em 4 anos

REUTERS/RicardoMoraes
REUTERS/RicardoMoraes

O índice passou a subir 4,57% nos 12 meses até fevereiro, ante uma alta acumulada de 4,30% no mês anterior

Os preços de energia elétrica registraram queda e a prévia da inflação oficial brasileira seguiu em desaceleração em fevereiro, embora tenha marcado o nível mais alto para o mês em quatro anos sob pressão dos combustíveis.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) passou a subir 0,48% no mês, de uma alta de 0,78% no mês anterior, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) hoje (24).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Apesar do enfraquecimento, o resultado foi o mais alto para um mês de fevereiro desde 2017 (+0,54%). Enquanto a expectativa em pesquisa da Reuters era de avanço de 0,46%. Com isso, nos 12 meses até fevereiro, o IPCA-15 passou a subir 4,57%, ante uma alta acumulada de 4,30% em janeiro e contra expectativa de 4,55%.

Para 2021, a meta do governo é de uma inflação de 3,75%, com margem de 1,5% acima ou abaixo, medida pelo IPCA, ao mesmo tempo, a mediana das projeções de economistas consultados na pesquisa Focus do BC aponta alta de 3,82% para o IPCA em 2021.

O resultado do índice foi marcado pela alta de 1,11% dos transportes, contra 0,14% em janeiro, e foi o grupo com maior impacto no índice. O aumento se deveu ao aumento de 3,34% dos preços dos combustíveis.

Enquanto isso, o maior impacto individual no IPCA-15 de feverieiro foi exercido pela gasolina, cujos preços subiram pelo oitavo mês consecutivo, a uma taxa de 3,52%. Óleo diesel (2,89%), etanol (2,36%) e gás veicular (0,61%) também avançaram.

Também se destacou o avanço de 2,39% nos custos da educação, a maior variação no mês, devido aos reajustes anuais aplicados no início do ano letivo e à retirada de descontos adotados por algumas instituições de ensino ao longo de 2020 devido à pandemia.

O que ajudou a conter a pressão dos preços em fevereiro foi a queda de 0,74% de habitação, após alta de 1,44% no mês anterior. A maior contribuição para esse resultado foi dada pela deflação de 4,24% nas tarifas de energia elétrica por conta da bandeira tarifária amarela em janeiro e fevereiro.

A questão dos preços dos combustíveis tem sido destaque desde o final da semana passada, quando o presidente Jair Bolsonaro anunciou que o governo decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para assumir os cargos de conselheiro e presidente da Petrobras após atrito sobre combustíveis com o atual CEO da empresa, Roberto Castello Branco.

Ao acompanhar uma alta das cotações internacionais do petróleo, a Petrobras já reajustou o preço do diesel em mais de 27% no acumulado do ano, enquanto a gasolina nas refinarias da empresa subiu 35%. Ao mesmo tempo, a desvalorização do real vem levantando cautela em relação aos preços.

O BC suspendeu seu compromisso de não elevar a Selic, mantida na última reunião em 2%. Alguns membros do colegiado defenderam que já fosse dado início à elevação da Selic, mas o entendimento predominante foi de que seria preferível aguardar a divulgação de mais informações sobre o cenário econômico e a pandemia. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).