JPMorgan piora estimativa e passa a ver queda de 5% do PIB do Brasil no 1º tri

Enquanto a estimativa para o PIB de 2020 foi melhorada, a para 2021 foi mantida em expansão de 2,6%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Pilar Olivares
REUTERS/Pilar Olivares

Enquanto a estimativa para o PIB de 2020 foi melhorada, a para 2021 foi mantida em expansão de 2,6%

Acessibilidade


O JPMorgan rebaixou hoje (2) sua previsão para o desempenho da economia brasileira neste primeiro trimestre, citando base de comparação mais alta nos últimos três meses de 2020, quando nas contas do banco a atividade surpreendeu para cima.

O JPMorgan estima agora que o Produto Interno Bruto (PIB) retrairá 5% entre janeiro e março frente ao intervalo de outubro a dezembro, com ajuste sazonal. O prognóstico anterior era de queda de 2%.

Mesmo que a revisão reflita efeito estatístico, a instituição ressalvou que já vinha incorporando nas contas do PIB o fim do auxílio emergencial e, sobretudo, a alta “significativa” nos casos e mortes relacionados à Covid-19 desde novembro.

“De fato, embora o setor industrial pareça seguir sólido no curto prazo, a queda contínua na confiança do consumidor reforça a tese de um crescimento negativo do PIB no primeiro trimestre”, disseram Cassiana Fernandez e Vinicius Moreira em nota.

Para o último trimestre de 2020, a nova expectativa é que a atividade tenha saltado 10% sobre o período imediatamente anterior, frente a crescimento antes estimado em 4%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As revisões se deram após os dados mais fortes que o esperado da produção industrial brasileira.

“Esta previsão (do quarto trimestre de 2020) considera que o setor de serviços e as vendas no varejo vão contrair em dezembro, conforme sugerido por dados recentes. Com essa mudança, atualizamos nossa estimativa para o PIB 2020 de -4,6% para -4,3%”, disseram os profissionais do JPMorgan.

Enquanto a estimativa para o PIB de 2020 foi melhorada, a para 2021 foi mantida em expansão de 2,6%, bem abaixo da taxa de 3,5% da mais recente pesquisa Focus do Banco Central. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: