Receita do Alibaba sobe 38% no 4° tri, acima das previsões de Wall St

O Alibaba divulgou hoje (2) receita trimestral acima das estimativas de Wall Street, com a divisão de comércio eletrônico se beneficiando de uma migração para compras online desencadeada pela pandemia do coronavírus.

Os resultados aparecem no momento em que a China reprime o império de negócios do fundador da empresa, Jack Ma, tendo forçado a suspensão de um IPO de US$ 37 bilhões da subsidiária financeira do grupo, a Ant Group.

O faturamento referente ao evento na China do Dia do Solteiro, maior evento de compras online do mundo, que ofusca as receitas geradas nos feriados de compras nos EUA, Black Friday e Cyber Monday – teve vendas de US$ 74 bilhões em novembro.

A receita total do Alibaba aumentou 37%, para 221,1 bilhões de iuanes (US$ 34,24 bilhões) no trimestre encerrado em 31 de dezembro, acima das estimativas dos analistas de 214,38 bilhões de iuanes, segundo dados IBES da Refinitiv.

A receita de seus principais sites de ecommerce aumentou 38%, para um recorde de 195,54 bilhões de iuanes, impulsionada pelas operações da empresa na China, enquanto a economia se recuperava da crise da Covid-19.

O lucro líquido atribuível aos acionistas ordinários foi de 79,43 bilhões de iuanes, ante 52,31 bilhões um ano antes.

A receita para computação em nuvem aumentou 50% ano a ano, atingindo 16,12 bilhões de iuanes, com a divisão divulgando um Ebitda positivo pela primeira vez.

O Alibaba também disse que “não foi capaz de concluir uma avaliação justa” do impacto que o IPO interrompido da Ant terá sobre a empresa.

As autoridades suspenderam a oferta planejada depois que Ma fez comentários públicos criticando os reguladores financeiros da empresa em novembro. Em dezembro, os reguladores começaram a investigar o Alibaba sobre alegadas práticas monopolistas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).