Suzano tem lucro de quase R$6 bi no 4º tri

Divulgação/Forbes
A produtora de papel e celulose Suzano teve lucro líquido de R$ 5,914 bilhões de reais no quarto trimestre do ano passado, forte salto ante o resultado positivo de R$ 1,175 bilhão registrado no mesmo período de 2019.

O desempenho foi apoiado por um salto no resultado financeiro positivo da companhia, impulsionado por ganhos cambiais e com derivativos. A linha subiu de R$ 1,6 bilhão no quarto trimestre de 2019 para R$ 6,2 bilhões nos três meses encerrados em dezembro passado. Ajudou também no resultado geral do grupo uma melhora operacional com queda no custo de produção de celulose.

LEIA MAIS: Ibovespa recua pressionado por dados do varejo e incertezas domésticas

A companhia apurou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 3,965 bilhões nos três últimos meses do ano passado, crescimento anual de 61%. Analistas consultados pela Refinitiv esperavam um Ebitda de R$ 3,527 bilhões. Não ficou imediatamente claro se os números são comparáveis.

A Suzano também estimou investimento de R$ 4,9 bilhões este ano, dos quais, R$ 4 bilhões serão destinados às operações industriais e florestais do grupo.

A companhia teve um preço líquido médio de celulose no exterior de US$ 459 por tonelada no quarto trimestre, uma queda de 2% sobre os três meses finais de 2019, mas o custo caixa de produção do insumo, sem considerar paradas de manutenção, recuou 1%, a R$ 622.

A combinação de uma melhora na operação permitiu o crescimento no Ebitda apesar das vendas de celulose terem recuado 9% no quarto trimestre, para 2,66 milhões de toneladas. A receita líquida cresceu 14% e a geração de caixa operacional saltou 93%.

A Suzano afirmou que reduziu seu estoque de celulose em cerca de 1 milhão de toneladas no ano passado.

Além disso, a companhia completou a curva de sinergias gerada pela fusão com a Fibria com captura de R$ 1,3 bilhão por ano em bases recorrentes entre 2019 e 2020. O resultado, segundo a empresa, ficou acima do esperado.

No front de endividamento, a Suzano manteve trajetória de redução da alavancagem, reduzindo de 5,1 vezes no terceiro trimestre para 4,3 vezes ao final de dezembro. Isso em reais. Em dólares, a variação foi de 4,4 para 4,3 vezes.

As ações da companhia subiram 2,25% hoje (10), alcançando a máxima histórica de fechamento de R$ 68,20 reais. No melhor momento, chegaram a R$ 68,50 reais, recorde intradia. Em 2021, acumulam alta de 16,5%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).