B3 tem lucro bilionário no 4º tri com onda de IPOs e escalada de ações

A B3 anunciou ontem (4) que seu lucro líquido de outubro a dezembro somou R$ 1 bilhão, um salto de 49,7% sobre um ano antes. As receitas da única operadora de infraestrutura de mercado financeiro do país afirmou que o lucro bilionário foi impulsionado pelo crescente interesse de empresas e investidores pelo mercado de ações brasileiro, em um ambiente de juros historicamente baixos.

Essa melhora foi patrocinada pelo crescimento de 67,3% no volume financeiro médio diário no mercado à vista de ações, com o número médio de investidores ativos dobrando. Além disso, a bolsa teve no período 16 ofertas de ações, que movimentaram R$ 38,8 bilhões, 20,5% a mais do que na mesma etapa de 2019.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O fluxo positivo de R$ 62,9 bilhões de capital estrangeiro para o segmento no trimestre ajudou a incrementar os volumes. Consequentemente, a receita líquida da B3 disparou 44,3% ano a ano, para R$ 2,54 bilhões.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente foi de R$ 1,73 bilhão, alta de 46,5%, com a margem avançando 4%, para 78,7%. Analistas, em média, esperavam Ebitda de R$ 1,59 bilhão para a B3 no período.

Em um comunicado separado, a B3 anunciou que seu conselho de administração aprovou um programa de recompra de 27,6 milhões de ações até fevereiro de 2022. A empresa também anunciou proposta de desdobramento de ações na proporção de 1 para 3. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).