Bill Gates emite alerta sobre o bitcoin, enquanto Elon Musk alimenta euforia com preços

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Cofundador da Microsoft, Gates alerta quanto aos riscos de investidores que seguem a onda de euforia com o bitcoin e as criptomoedas

Dois diferentes bilionários, do fundador da Microsoft que se tornou um filantropo global, Bill Gates, ao presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, estão se pronunciando sobre o bitcoin.

Musk recentemente fez o preço da moeda digital disparar com tweets pró criptomoedas. Na sequência, a Tesla adicionou US$ 1,5 bilhão em bitcoins ao seu balanço financeiro, empurrando seu preço ainda mais alto.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Agora, enquanto funcionários de altos cargos do Federal Reserve (Banco Central dos EUA) demonstram surpresa com a última corrida em alta do bitcoin, Bill Gates advertiu que pessoas com menos dinheiro do que Musk deveriam “tomar cuidado” com a modalidade de investimento.

“Musk tem toneladas de dinheiro e é muito sofisticado, então eu não me preocupo se o valor da criptomoeda dele vai subir ou descer aleatoriamente”, afirmou Gates à Bloomberg em entrevista. “Eu acredito que as pessoas, que talvez não tenham tanto dinheiro para gastar, são levadas por essas tendências e modismos. Minha aposta geral é que, se você tem menos dinheiro do que Musk, você provavelmente deveria tomar cuidado.”

Mais tarde, ao participar de um bate-papo no Clubhouse, o fundador da Microsoft disse que não investiu pessoalmente em bitcoins, afirmando que prefere alocar o seu dinheiro em companhias que “fazem produtos” e que não escolhe seus investimentos com base em valorizações.

O preço do bitcoin é conhecido por ser extremamente volátil, atingindo quase US$ 60 mil na semana passada, depois de cair para US$ 4 mil em março de 2020 e iniciar sua última escalada de preços em outubro, com investidores institucionais entrando no universo de ativos digitais.

Na semana passada, o valor combinado dos 18,6 milhões de tokens de bitcoin em circulação atingiu US$ 1 trilhão pela primeira vez – o dobro dos US$ 500 bilhões do início de 2021.

Musk, que este ano ultrapassou brevemente o fundador da Amazon, Jeff Bezos, como o homem mais rico do mundo, apoia há muito tempo o bitcoin e as criptomoedas, tweetando regularmente sobre o dogecoin, rival do bitcoin.

Apesar da queda no preço do bitcoin de quase 20% na última semana, muitos na comunidade das criptomoedas permanecem otimistas sobre suas perspectivas, apontando para o espectro da inflação como um fator de interesse no bitcoin, devido ao seu fornecimento limitado de tokens.

“Com o compromisso do Fed de manter o apoio econômico e a perspectiva de um novo pacote de estímulo, as preocupações do mercado acerca de um aumento repentino na inflação estão crescendo”, afirmou Artur Sapek, gerente geral de negociação de criptomoedas e da plataforma de mapeamento, Cryptowatch.

“Independentemente de a inflação, efetivamente, se materializar ou não, o fato de que o bitcoin subiu hoje destaca que o mercado está começando a entender e a comprar a proposta de valor que sustenta esse ativo de US$ 950 bilhões”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).