Bolsa perde 4% e dólar dispara após anulação de condenações de Lula

Com forte pressão compradora, o dólar fechou no maior patamar desde maio, a R$ 5,77 na venda, alta de 1,70% na sessão.

Ana Paula Pereira
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa terminou o pregão de hoje em forte queda, recuando 3,98% aos 110.611 pontos após o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) anular todas as condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela 13ª Vara Federal de Curitiba no âmbito da operação Lava Jato, devolvendo seus direitos políticos.

A Procuradoria-Geral da República vai recorrer da decisão de Fachin, que pode ser analisada pelo plenário do STF. Segundo nota do gabinete de Fachin, o ministro entendeu que a vara em Curitiba não tem competência para julgar os processos e anulou todas as decisões proferidas nos casos do tríplex do Guarujá, do sítio em Atibaia, da compra de uma sede para o Instituto Lula e das doações feitas ao instituto do ex-presidente.

“A decisão do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, coloca o ex-presidente Lula em condições de concorrer às eleições de 2022”, afirmou a equipe da XP Política em comentário a clientes.

A notícia colabora para a instabilidade política no país e analistas acreditam que pode influenciar na tomada de decisões da administração de Jair Bolsonaro. “Com Lula elegível, cresce ainda mais a chance deste governo ir totalmente para o populismo”, comentou Alfredo Menezes, sócio-gestor na Armor Capital.

Mais cedo, a Bolsa brasileira já operava em queda frente ao avanço da crise sanitária da Covid-19 no país. O Brasil já tem mais de 11 milhões de casos de coronavírus desde o início da pandemia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Também no radar dos investidores no cenário doméstico está a apresentação do relatório da PEC Emergencial na Câmara hoje, principalmente a possibilidade de maiores flexibilizações nas regras fiscais”, comenta Paula Zogbi, especialista da Rico Investimentos. O texto deve ser votado na Câmara dos Deputados em dois turnos na próxima quarta (10).

O dólar fechou no maior patamar desde maio, a R$ 5,77 na venda, alta de 1,70% na sessão, impactado por uma forte pressão compradora após a decisão do ministro Edson Fachin.

Em Wall Street, o índice Dow Jones terminou o dia próximo de novas máximas, ganhando 0,97% aos 31.802 pontos, com o mercado digerindo a aprovação no último sábado do pacote de US$ 1,9 trilhão proposto pelo presidente Joe Biden. A iminente injeção de recursos na economia impulsiona norte-americana impulsiona ações dos bancos e do setor de energia em Nova York, enquanto pressiona os papéis de tecnologia e a renda fixa dos EUA.

O índice Nasdaq Composite, referência em tecnologia, já acumula queda de quase 10% apenas nos últimos 30 dias. Já os rendimentos dos treasuries seguem em elevados patamares, na faixa de 1,6%. (Com Reuters)

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas
MRFG3: +4,41% a R$ 15,64
ELET3: +0,19% a R$ 31,83

Maiores Baixas
RENT3: -9,39% a R$ 55,12
LCAM3: -9,23% a R$ 22,52
EZTC3: -8,72% a R$ 30,05
MGLU3: -8,08% a R$ 23,10
RAIL3: -7,93% a R$ 18,70

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: