Bosch e Basf obtêm aprovação para joint venture de soluções agrícolas digitais

Parceria prevê venda de sistemas de pulverização inteligente e solução de plantio envolvendo ferramentas digitais para semeadura.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Máquinas durante colheita de grãos em fazenda em Tangará da Serra, no Mato Grosso

Acessibilidade


As alemãs Bosch e Basf receberam sinal verde de autoridades concorrenciais no Brasil para criação de uma joint venture de comercialização e distribuição de tecnologias digitais voltadas ao setor de agricultura.

A operação, que prevê participações iguais das empresas e controle conjunto, foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), segundo publicação de hoje (15) no Diário Oficial da União.

LEIA TAMBÉM: Indústria e consumidores impulsionam recuperação da China no início de 2021

A Bosch e a Basf Digital Farming anunciaram em novembro passado a assinatura de acordo para criação da joint venture, prevendo na ocasião que a nova empresa seria lançada primeiramente no Brasil, seguido por Europa e América do Norte.

As empresas disseram que a operação também está sendo comunicada a autoridades na China, Alemanha, Paquistão, Polônia, Coreia do Sul e Taiwan, segundo o Cade.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em parecer sobre o negócio, o órgão estatal disse que as companhias informaram que “pretendem vender soluções inteligentes para a agricultura a partir de uma única fonte, combinando a expertise das duas empresas”.

Dentre os produtos que serão vendidos e distribuídos pela associação entre as companhias estão sistemas de pulverização inteligente, com integração entre tecnologia e software de sensor de câmera da Bosch com algoritmos de tomada de decisões agronômicas da Basf; e solução de plantio inteligente envolvendo ferramentas digitais para semeadura e prescrição de herbicidas.

O compromisso de investimento de cada empresa na joint venture não foi revelado pelo Cade.

VEJA MAIS: Agtechs crescem em número e amadurecem modelo de negócio com aportes milionários

O órgão estatal não viu riscos à concorrência pela associação das companhias alemãs mirando soluções de agricultura digital.

“A presença de ambas as empresas nesses segmentos ainda é recente e limitada, o que inviabilizaria qualquer possibilidade de fechamento de mercado. O segmento de agricultura digital ainda é embrionário, com um grande número de startups e empresas já atuantes nos segmentos de insumos agrícolas desenvolvendo estratégias e tecnologias para explorar melhor o agronegócio”, apontou, em parecer. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: