China vai liderar recuperação das economias do Leste Asiático e Pacífico, diz Banco Mundial

Instituição financeira prevê crescimento de 8,1% para o país em 2021

Redação
Compartilhe esta publicação:
Aly Song/Reuters

Contenção lenta da Covid-19 pode levar a uma atividade econômica pior que a prevista

Acessibilidade


A China deverá liderar a recuperação das economias do Leste Asiático e do Pacífico neste ano, mas muitas nações ainda registrarão um crescimento abaixo da média enquanto lutam para superar a pandemia do coronavírus, segundo as novas projeções do Banco Mundial divulgadas hoje (26).

O mais recente relatório econômico para Leste Asiático e Pacífico do Banco Mundial prevê que a economia chinesa crescerá 8,1% em 2021, em comparação com 2,3% no ano anterior, impulsionando um crescimento de 7,4% em toda a região, ante 1,2% em 2020.

VEJA TAMBÉM: Banco Mundial amplia financiamento a vacinas e vê comércio no centro da recuperação econômica

Excluindo a China, de longe a maior economia da região, o crescimento será de apenas 4,4% na região do Leste Asiático e no Pacífico, uma melhora em relação à contração de 3,7% no ano anterior, mas ainda abaixo da média de longo prazo.

O Banco Mundial observou que o crescimento econômico para Estados-nação individuais “dependerá da contenção do novo coronavírus; da capacidade de tirar proveito de um restabelecimento do comércio internacional; e da capacidade dos governos de fornecer apoio fiscal e monetário.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A contenção lenta da Covid-19, no entanto, pode levar a uma atividade econômica pior que a prevista, com o aumento do risco do surgimento de novas variantes que podem ser mais infecciosas, letais e resistentes às vacinas existentes. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: