Conselho da Petrobras aprova venda de refinaria na Bahia para Mubadala por US$ 1,65 bilhão

A companhia busca se desfazer de cerca de metade da capacidade de refino do país

Redação
Compartilhe esta publicação:
Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

A assinatura do contrato de compra e venda deve ocorrer em breve, segundo a empresa

Acessibilidade


O conselho de administração da Petrobras aprovou hoje (24) a venda da Rlam (Refinaria Landulpho Alves) e seus ativos logísticos associados, na Bahia, para a Mubadala Capital, por US$ 1,65 bilhão. A informação foi dada pela própria companhia.

A assinatura do contrato de compra e venda deve ocorrer em breve, segundo a empresa, que ponderou que o fechamento do negócio está ainda sujeito ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pelo órgão antitruste Cade.

LEIA MAIS: Petrobras reduz diesel e gasolina na refinaria em R$ 0,11 a partir de quinta

A Petrobras disse ainda que a refinaria Rlam será a primeira, dentre as oito que estão em processo de venda, a ter o contrato assinado. No processo de desinvestimento em curso, a companhia busca se desfazer de cerca de metade da capacidade de refino do país.

“É o começo do fim de um monopólio numa economia ainda com monopólios em várias atividades”, disse em nota o presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O desinvestimento da Rlam contribui para a melhoria da alocação de capital, para a diminuição do ainda elevado endividamento e para iniciar um processo de redução de riscos de intervenções políticas na precificação de combustíveis, que tantos prejuízos causaram para a Petrobras e para a própria economia brasileira”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: