Energisa tem queda de 45% no lucro do 4° tri em 2020

A Energisa teve lucro líquido de R$ 192 milhões no quarto trimestre, queda de 45,6% ante mesmo período de 2019, impactada pela piora no resultado financeiro, embora sem efeitos no caixa. Desconsiderado esse fator e outros itens não-recorrentes, o lucro somou R$ 313,3 milhões, com salto de 87,2% na comparação anual, disse a elétrica.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebidta) somou R$ 1,12 bilhão no trimestre, avanço de 15,7% na comparação anual. O Ebitda ajustado foi de R$ 1,22 bilhão, alta de 16,1%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

No ano completo de 2020, a Energisa apurou lucro de R$ 1,6 bilhão, avanço de 204,9% ano a ano, enquanto o Ebitda teve aumento de 12,3% na mesma base, para R$ 3,9 bilhões.

Com negócios em distribuição, transmissão e geração de energia, a empresa somou receita operacional líquida de R$ 5,57 bilhões de outubro a dezembro, alta de 25,2% ano a ano. O resultado financeiro foi negativo em R$ 495,7 milhões, contra prejuízo de R$ 231,4 milhões no quatro trimestre de 2019.

A Energisa disse que esse número refletiu a contabilização de uma opção de conversibilidade do bônus de subscrição de uma emissão de debêntures, que teve impacto negativo de R$ 393,9 milhões, contra R$ 144,2 milhões no mesmo período de 2019.

Investimentos no mercado

Os investimentos da Energisa totalizaram R$ 677,3 milhões no trimestre, com queda de 32,1% no comparativo anual, enquanto fecharam o ano com recuo de 14,5%, em R$ 2,7 bilhões.

Devido à pandemia, a empresa postergou alguns investimentos. A Energisa também buscou fortalecer a liquidez com medidas de proteção ao caixa e captação de recursos de financiamento e capital de giro, além de alongamento da dívida de curto prazo e cortes de despesas.

“Como resultado, concluímos o ano com caixa de R$ 6,6 bilhões e uma redução de 11% nas despesas com pessoal, material, serviços e outros (PMSO)”, afirmou. Já o consumo consolidado de energia elétrica nos mercados cativo e livre atendido pelas distribuidoras da companhia teve crescimento de 5,2% no trimestre.

“O mercado consolidado das distribuidoras da Energisa cresceu 2,5% acima do consumo energia elétrica do Brasil em 2020, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Nos últimos 12 anos, este diferencial foi na média 2,25% por ano”, apontou a empresa.

A companhia encerrou o ano com 8,05 milhões de unidades consumidoras atendidas, aumento de 2,9% em um ano. A taxa de inadimplência consolidada da Energisa dos últimos 12 meses, considerando os impactos da pandemia e medidas impostas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi de 1,64% no trimestre, contra 0,93% no fim de 2019.

Com isso, a elétrica registrou provisões para calotes, de R$ 380,4 milhões em 2020, ante R$ 212,5 milhões um ano antes. A Energisa aprovou R$ 500,8 milhões para pagamento de dividendos relativos a 2020, dos quais R$ 101,6 milhões já foram depositados em agosto. O dividendo complementar, de R$ 399,2 milhões, será pago em 30 de março. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).