Fabricante chinesa de smartphones Xiaomi fará veículos elétricos com Great Wall

Kim Kyung Hoon/Reuters
Kim Kyung Hoon/Reuters

Xiaomi direcionará seus EVs para o mercado de massa

A chinesa Xiaomi planeja fabricar veículos elétricos (EVs), utilizando fábrica da Great Wall Motor Co Ltd, afirmaram três pessoas com conhecimento direto do assunto, tornando-se a mais recente empresa de tecnologia a aderir à corrida da mobilidade inteligente.

A Xiaomi não quis comentar, enquanto a Great Wall disse hoje (26) em um documento à bolsa que não havia discutido tal parceria com a Xiaomi.

VEJA TAMBÉM: Renault estima dobrar vendas de elétricos e híbridos em 2021

As ações da Xiaomi fecharam em alta de 6,3% depois que a Reuters divulgou o plano. As ações de Hong Kong da Great Wall subiram 10,4%, e as ações de Xangai valorizaram-se em seu limite diário máximo de 10%.

A Xiaomi, uma das maiores fabricantes de smartphones do mundo, está em negociações para usar uma das fábricas da Great Wall na China para fazer EVs com sua própria marca, disseram duas pessoas, que não quiseram ser identificadas porque a informação não é pública.

A Xiaomi direcionará seus EVs para o mercado de massa, de acordo com o posicionamento mais amplo de seus produtos eletrônicos, disseram as duas pessoas.

A Great Wall, que antes não oferecia serviços de manufatura para outras empresas, prestará consultoria de engenharia para agilizar o projeto, disse uma das pessoas.

Ambas as empresas planejam anunciar a parceria já no início da próxima semana, disse outra pessoa. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).