Fintech Klarna capta US$ 31 bilhões e faz dois novos bilionários

Pioneira no modelo “compre agora, pague depois” viu suas operações dispararem com o aumento do e-commerce .

Jeff Kauflin
Compartilhe esta publicação:
Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

O cofundador e CEO da Klarna, Sebastian Siemiatkowski, fundou a empresa em 2005 e foi o pioneiro na modalidade “compre agora, pague depois”

Acessibilidade


Compre agora, pague depois. A fintech Klarna, que permite que as pessoas paguem tudo em parcelas – de ternos a bugigangas –, acaba de levantar US$ 1 bilhão em financiamentos, elevando sua avaliação para US$ 31 bilhões. O valor é quase o triplo de seis meses atrás, quando o negócio com sede em Estocolmo, na Suécia, atingiu US$ 11 bilhões. É mais um sinal do aquecido mercado de fintechs, no qual as avaliações subiram a níveis astronômicos com a disparada das compras online no passado.

O cofundador e CEO Sebastian Siemiatkowski possui quase 8% da Klarna, o que lhe confere um patrimônio atual de US$ 2,2 bilhões (a Forbes aplica um desconto de 10% nas avaliações de empresas privadas). Victor Jacobsson, o outro cofundador – que deixou a empresa em 2012 –, tem cerca de 10% de participação e uma fortuna estimada agora em US$ 2,7 bilhões. O terceiro cofundador, Niklas Adalberth, possui apenas 0,4% da Klarna depois de vender algumas ações para financiar sua organização filantrópica e investir em startups, fazendo com que sua participação na fintech seja estimada em US$ 100 milhões.

LEIA TAMBÉM: Com fundos brasileiros a bordo, Loggi levanta R$ 1,1 bilhão para expandir

A Klarna, fundada em 2005, foi pioneira no modelo “compre agora, pague depois” entre as fintechs, que cresceu em popularidade desde o início da pandemia. Em 2020, a empresa processou US$ 53 bilhões em transações globais e registrou um aumentou de 37% na receita, chegando a US$ 1,2 bilhão. A fintech opera em 17 países, mas ainda não é lucrativa – o prejuízo, em 2020, foi de US$ 163 milhões. A concorrente australiana Afterpay processou US$ 11 bilhões em compras no varejo no ano passado, enquanto a fintech Affirm, de São Francisco, ficou com outros US$ 6 bilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: