Forbes Radar: Petrobras, Eletrobras, JBS e outros destaques corporativos

O Forbes Radar de hoje (25) apresenta os desempenhos trimestrais da JBS que fechou o quarto trimestre com o lucro líquido de R$ 4 bilhões, uma alta de 65% contra o mesmo período de 2019, o lucro líquido do Grupo Matheus que ficou em R$ 241 milhões no último trimestre do ano passado, um desempenho positivo de 142,7% e a Equatorial que entre outubro e dezembro teve o lucro líquido de R$ 928 milhões, uma alta de 29,8%.

Ao mesmo tempo, as estatais apresentaram renúncias em seus conselhos de administração e diretorias. Na Petrobras, quatro membros da diretoria, Andrea Almeida, André Chiarini, Carlos Alberto Oliveira e Rudimar Lorenzatto renunciaram aos cargos. Já na Eletrobras, o conselheiro de administração e coordenador do Comitê de Auditoria e Risco Estatutário, Mauro Gentile Rodrigues Cunha, abandonou ambos os cargos.

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

JBS (JBSS3)

A processadora de carnes JBS fechou o quarto trimestre com lucro líquido de R$ 4 bilhões, um salto de 65% em relação ao mesmo período de 2019, impulsionado por exportações aquecidas pela China, consumo forte tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos e variação cambial.

A dona de marcas como Swift e Friboi, teve o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 7 bilhões no quarto trimestre, um aumento de 24,1% no ano a ano. Analistas, em média, esperavam que a JBS tivesse o Ebitda de R$ 6,63 bilhões no último trimestre, segundo a Refinitiv.

A JBS ainda registrou uma receita líquida consolidada de R$ 76,1 bilhões entre outubro e dezembro, o que representa um aumento de 33,1% no comparativo anual, com todas as unidades de negócios registrando crescimento na receita.

No acumulado do ano, o lucro líquido foi de R$ 4,6 bilhões, queda de 24,2% ante 2019, enquanto o Ebitda ajustado somou R$ 29,6 bilhões, apresentando a alta de 48,7%. A receita líquida atingiu R$ 270,2 bilhões, avanço de 32,1% no ano a ano. A JBS ainda informou que a geração de caixa livre atingiu R$ 17,8 bilhões, um salto de 87,3%.

Grupo Matheus (GMAT3)

Apesar da pandemia, o Grupo Matheus bateu recorde em inaugurações de lojas, com 39 aberturas durante o ano, sendo 23 em novas cidades.

O lucro líquido da companhia ficou em R$ 241 milhões no quarto trimestre de 2020, um crescimento de 142,7% em relação ao mesmo período de 2019 (R$ 99 milhões). Durante o ano passado, o lucro líquido nos 12 meses ficou em R$ 776 milhões, uma alta de 112,2% contra o ano anterior (R$ 366 milhões).

O expressivo crescimento no trimestre deve-se, principalmente, à consistência do plano de expansão, com aberturas em todos os estados e “à excelente performance das lojas existentes”, informou a empresa.

O Ebitda ajustado ficou em R$ 289 milhões no último trimestre de 2020, um desempenho positivo de 76,7% sobre o quarto trimestre de 2019 (R$ 164 milhões). O Ebitda anual ficou em R$ 1 bilhão, o que em 2019 era de R$ 568 milhões, demonstrando um crescimento de 76,8%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Locaweb (LWSA3)

A Locaweb teve o lucro líquido no último trimestre do ano passado de R$ 9 milhões, o que no anterior ficou em R$ 6,9 milhões, mostrando um desempenho positivo de 29,1%. O lucro líquido anual saiu de R$ 18,1 milhões em 2019 para R$ 19,7 milhões em 2020, uma elevação de 9,2%.

O Ebitda ajustado fechou o quarto trimestre em R$ 36,4 milhões, um crescimento de 20,6% em relação a 2019 que era de 30,2 milhões. Já o Ebitda anual ficou em R$ 129,4 milhões, uma alta de 16,7% contra 2019 (R$ 110,9 milhões).

Equatorial (EQTL3)

A Equatorial fechou o último trimestre com um lucro líquido de R$ 928 milhões, um desempenho positivo de 29,8% em relação ao mesmo período de 2019 que ficou em R$ 715 milhões. O lucro líquido anual saiu de R$ 1,4 bilhão em 2019 para R$ 2,2 bilhões no ano passado, uma alta de 52,1%.

O Ebitda fechou o quarto trimestre de 2020 em R$ 4,7 bilhões, o que no mesmo período de 2019 era de R$ 4 bilhões, representando um crescimento de 17,4%.

Eletrobras (ELET6)

Na noite de ontem (24), o conselheiro de administração e coordenador do Comitê de Auditoria e Risco Estatutário da Eletrobras, Mauro Gentile Rodrigues Cunha, renunciou ao cargo em ambos os colegiados.

Ao mesmo tempo, o conselho de administração da companhia recomendou Rodrigo Limp Nascimento para ocupar a vaga no colegiado, “visando a presidência da Eletrobras”, informou em fato relevante.

Petrobras (PETR4)

Quatro membros da diretoria da Petrobras, incluindo a diretora financeira, Andrea Almeida, informaram ao conselho da petroleira que não têm interesse de renovar seus mandatos para um novo período, após a saída do atual presidente Roberto Castello Branco.

Além de Almeida, também deixarão a empresa o diretor-executivo de Comercialização e Logística, André Chiarini, o diretor-executivo de Exploração e Produção, Carlos Alberto Oliveira e o diretor-executivo de Desenvolvimento da Produção, Rudimar Lorenzatto. Os mandatos da diretoria executiva foram encerrados em 20 de março, mas os executivos estão comprometidos a cumprir com deveres e obrigações até a posse de seus respectivos sucessores, o que deve ocorrer após a realização da assembleia-geral extraordinária, em 12 de abril.

A diretora financeira e os três executivos decidiram deixar a estatal após discordância com os planos do próximo presidente, disse à Reuters uma fonte próxima aos executivos.

O presidente Jair Bolsonaro decidiu não renovar o contrato do até então presidente da Petrobras, Castello Branco, após atritos relacionados à política de preços de combustíveis da estatal. Para o seu lugar, foi indicado o general Joaquim Silva e Luna.

Ao mesmo tempo, ontem (24), o conselho de administração da Petrobras decidiu eleger Salvador Dahan para o cargo de diretor-executivo de Governança e Conformidade da Petrobras, que tomará posse da cadeira em 1º de maio.

O conselho também aprovou a venda da Rlam (Refinaria Landulpho Alves) e seus ativos logísticos associados, na Bahia, para a Mubadala Capital, por US$ 1,65 bilhão.

A assinatura do contrato de compra e venda deve ocorrer em breve, segundo a empresa. O fechamento do negócio está ainda sujeito ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pelo órgão antitruste Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Vale (VALE3)

A Vale informou que realizará o pagamento de R$ 1 bilhão em remuneração de debêntures, no valor bruto de R$ 2,7624 por título de dívida. De acordo com a companhia, a data para a remuneração será em 31 de março.

Localiza (RENT3)

O conselho de administração da Localiza pagará o valor bruto de R$ 63 milhões em JCP (juros sob capital próprio). O valor bruto por ativo será de R$ 0,0847, “podendo ser modificado em razão da alienação das ações em tesouraria”, informou a empresa.

A partir de 30 de março os papéis serão negociados em “ex” e o pagamento ocorrerá em 21 de maio.

Gol (GOLL4) e Smiles (SMLS3)

A assembleia-geral que ocorreu ontem (24) entre a Gol e a Smiles aprovou a reorganização entre as companhias. A decisão foi que a base acionária da empresa de milhagem passará para a companhia aérea.

Após o aumento da oferta da Gol para a Smiles com o preço de R$ 27,00 por ativo, ficou definido que os acionistas receberão:

  • Uma parcela em moeda corrente nacional de R$ 9,14 e 0,6601 ação preferencial de emissão da GOL, caso seja uma relação de troca base
  • Uma parcela em moeda corrente nacional de R$ 22,54 e 0,1650 ação preferencial de emissão da GOL, caso seja uma relação de troca operacional

Suzano (SUZB3)

A Suzano prevê atingir gradualmente até 2024 um desembolso total de aproximadamente R$ 1,4 mil por tonelada de celulose. A companhia afirmou serem considerados na composição desta estimativa um custo de produção de celulose (incluindo paradas programadas) de aproximadamente R$ 560 por tonelada, custos e despesas logísticas com vendas e administrativas de cerca de R$ 500 por tonelada e investimentos de manutenção de R$ 340 por tonelada.

GM (GMCO34)

A General Motors ampliou os cortes de produção nos Estados Unidos na tarde de ontem (24), em razão da escassez mundial de chips semicondutores que afetou o setor automotivo.

A montadora disse que a fábrica de montagem em Wentzville, Missouri, nos Estados Unidos, ficará parada entre 29 de março e 5 de abril. A companhia estenderá também o tempo de inatividade na fábrica em Lansing, Michigan, nos EUA, que está desativada desde 15 de março, por mais duas semanas. A ação poderá cortar até US$ 2 bilhões do lucro deste ano.

A escassez de chips acontece após as fábricas de automóveis norte-americanas ficaram fechadas por dois meses em 2020 devido à pandemia, o que, consequentemente, causou cancelamentos nos pedidos de novos chips. Os produtos são usados extensivamente em carros, com o objetivo de monitorar o desempenho do motor, gerenciar a direção ou janelas automáticas e automatizar sensores usados em sistemas de estacionamento.

(Com Reuters)

Calendário de divulgação dos próximos resultados:

  • CPFL Energia ON (CPFE3) – 25 de março
  • Sabesp ON (SBSP3) – 25 de março
  • Banco BMG PN (BMGB4) – 25 de março
  • Bradespar ON (BRAP3) – 25 de março
  • Triunfo (TPIS2) – 25 de março
  • Mosaico (MOSI3) – 25 de março
  • Focus Energia (POWE3) – 25 de março

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).