IBC-Br tem alta de 1,04% em janeiro, bem acima do esperado

Em janeiro de 2020, índice tinha apresentado recuo de 0,46%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Em comparação ao mesmo período em 2020, IBC-Br apresentou queda de 0,46%

Acessibilidade


A economia do Brasil iniciou 2021 com ganhos bem acima do esperado em janeiro, mostraram dados do Banco Central de hoje (15), mas deve enfrentar novos desafios conforme o país vive o pior momento da pandemia de Covid-19.

O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), considerado sinalizador do PIB (Produto Interno Bruto), subiu 1,04% em janeiro na comparação com o mês anterior, de acordo com dado dessazonalizado.

VEJA TAMBÉM: Boletim Focus: mercado vê alta de 0,5% da Selic esta semana e inflação a 4,6% em 2021

O resultado foi o nono seguido no azul e ficou bem acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,40% no mês. Também mostrou um ritmo mais forte da economia depois de perda de força ao longo do último trimestre do ano passado — em dezembro, o IBC-Br subiu 0,7%, em dado revisado pelo BC de alta de 0,64% informada antes.

Janeiro representou o ritmo de expansão mais forte desde setembro, porém a divulgação do dado acontece no momento em que o país passa por seu pior momento na epidemia, com contaminações e óbitos em alta e sistemas de saúde sobrecarregados, bem como a imposição de restrições mais rígidas de isolamento em vários Estados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na comparação com janeiro de 2020, o IBC-Br registrou queda de 0,46% e, no acumulado em 12 meses, teve recuo de 4,04%, segundo números observados.

A economia brasileira registrou em 2020 a maior contração em 24 anos, uma queda de 4,1%, sob o impacto das medidas de contenção ao coronavírus.

O ano de 2021 começou de forma distinta entre os setores econômicos. A indústria brasileira teve alta da produção pelo nono mês seguido, de 0,4%, mas em desaceleração e sofrendo o impacto do agravamento da pandemia no Amazonas.

O volume de serviços no Brasil voltou a subir em janeiro e acima do esperado, com ganho de 0,6% em relação a dezembro, mas as vendas varejistas apresentaram perdas de 0,2% no mês em meio ao fim do auxílio emergencial.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa recua com incertezas domésticas e política monetária no radar

Embora o ano tenha começado com pontos positivos, o país enfrenta agora um pano de fundo de incertezas que vão além da piora da pandemia em meio à lentidão da vacinação.

“O índice surpreendeu positivamente, principalmente, após leituras fracas dos índices de varejo, serviços e indústria do IBGE para o mês nos últimos dias. Ainda que o resultado tenha vindo acima das expectativas, esperamos um arrefecimento da atividade econômica no primeiro trimestre de 2021″, disse em nota Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco digital modalmais, calculando queda de 0,7% do PIB nos três primeiros meses do ano.

O BC se reúne nesta semana para decidir sobre a taxa básica de juros, com expectativas de aumento da mínima histórica de 2,0%. A renovação do auxílio emergencial ainda não saiu e o cenário fiscal continua preocupando, em meio à deterioração do quadro inflacionário e ao desemprego ainda elevado.

A pesquisa Focus do BC divulgada nesta segunda-feira mostra que o mercado espera crescimento de 3,23% do PIB em 2021, indo a 2,39% em 2022, em cenários mais fracos do que os esperados no levantamento anterior. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: