Ibovespa fecha em queda às vésperas de decisões monetárias da Super Quarta

O dólar terminou o dia em queda de 0,36% ante o real e negociado a R$ 5,51 na venda, com operadores reduzindo exposição antes do Copom e Fed

Ana Paula Pereira
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa encerrou o pregão de hoje (16) em queda de 0,72% aos 114.018 pontos, puxado por recuos nos papéis da Petrobras em uma sessão marcada por volatilidade e cautela dos investidores às vésperas da ‘Super Quarta’, quando serão conhecidas os rumos das políticas monetárias no Brasil e nos Estados Unidos.

No cenário doméstico, a expectativa é de que o Copom (Comitê de Política Monetária) faça a primeira elevação nos juros da economia em seis anos, aumentando em 0,50 p.p., para 2,5% a taxa Selic. Nos EUA, os investidores esperam que o FOMC (Federal Open Market Committee) dê sinais sobre mudanças na política monetária diante das expectativas de pressão inflacionária com a iminente reabertura da economia.

Na análise do economista e sócio da BRA, João Beck, além da decisão de amanhã, o mercado espera ainda colher indícios sobre a condução da política monetária ao longo de 2021, observando “se o Copom pode tomar um caminho de altas mais acentuadas por um período curto ou altas graduais por períodos mais longos”, comenta.

A pandemia e o ritmo da vacinação no Brasil seguem também no radar do mercado após novas mudanças no comando do Ministério da Saúde. Ontem, o presidente Jair Bolsonaro anunciou o médico Marcelo Queiroga para o cargo e prometeu uma atuação “mais agressiva” contra a Covid-19.

Dados mais recentes do Ministério da Saúde, mostram que o total de mortos pela doença no país alcançava até a véspera mais de 279 mil pessoas, com o total de infecções em 11,5 milhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para o estrategista-chefe do Itaú BBA, Marcelo Sa, a pandemia é a variável mais importante para analisar como será a performance da Bolsa brasileira em razão dos potenciais efeitos no crescimento econômico e no quadro fiscal do país.

Em análise divulgada hoje a XP Investimentos projetou dois cenários para o fim da vacinação dos grupos de riscos no Brasil (profissionais de saúde e por idade). Em um contexto pessimista, esses grupos estariam vacinados até dia 19 de agosto e no mais otimista, no dia 9 de abril.

Wall Street

Também de olho na decisão do FOMC, os índices em Wall Street terminaram o dia em campo misto, com ações de energia em queda e alta nas de tecnologia. A sessão foi por marcada por volatilidade nas ações e nos treasuries, com o rendimento do título de vencimento em 10 anos voltando a subir no fim do dia, para 1,615%.

De acordo com o estrategista de renda variável da Ouro Preto Investimentos, Bruno Komura, o mercado trabalha com o risco do Federal Reserve precisar antecipar o ciclo de alta dos juros, dada a recuperação econômica e pressão inflacionária potencial com o pacote de US$ 1,9 trilhão.

No fechamento, o Dow Jones recuou 0,39% aos 32.825 pontos e o S&P 500 perdeu 0,16% aos 3.962 pontos, enquanto o Nasdaq Composite subiu 0,09% aos 13.471 pontos.

Câmbio

O dólar fechou em queda de 0,36% ante o real e negociado a R$ 5,51 na venda, com operadores reduzindo exposição na véspera das decisões de política monetária.

Segundo Sergio Goldenstein, consultor independente da Ohmresearch Independent Insights e ex-chefe do Departamento de Operações de Mercado Aberto do Banco Central, a normalização da política monetária dará algum suporte ao câmbio, reduzindo a possibilidade do dólar ir para R$ 6,00. O especialista, no entanto, não vê a moeda norte-americana abaixo dos R$ 5,00.

“O início da correção na Selic ajuda na correção do câmbio, mas o câmbio depende de mais do que a Selic: depende do quadro fiscal, termos de troca, comportamento global do dólar, Treasuries, ambiente político”, explica Goldenstein. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: