Los Angeles estuda construir um monotrilho da era espacial

Autoridades avaliam solução para os congestionamentos das estradas da cidade

Alan Ohnsman
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Autoridades avaliam solução para os congestionamentos das estradas da cidade

Acessibilidade


As autoridades de Los Angeles estão considerando uma solução audaciosa para as estradas congestionadas da cidade: um monotrilho elegante e automatizado de US$ 6,1 bilhões para levar os passageiros acima dos engarrafamentos esmagadores de rodovias. Seria o maior uso de uma tecnologia para trânsito nos EUA que muitas vezes é relegada a parques de diversões, aeroportos e zoológicos.

A autoridade de transporte da cidade decidiu em 25 de março conceder até US$ 63,6 milhões à LA Skyrail Express, um consórcio liderado pela fabricante chinesa de baterias e veículos elétricos BYD que pretende construir uma linha de monotrilho de oito estações e 24 quilômetros sobre a rodovia 405. Esses fundos do “acordo de pré-desenvolvimento” cobrem uma avaliação técnica, arquitetônica e operacional plurianual, não os custos de construção. Uma proposta rival de um metrô de US$ 10,8 bilhões de um grupo liderado pela gigante da construção Bechtel, correndo abaixo da rodovia, também ganhou fundos de PDA (“Priority Development Area”, “Área de Desenvolvimento Prioritária”, em tradução livre) no valor de até US$ 69,9 milhões. A decisão sobre a opção de construção deve ser tomada até 2025, de acordo com o L.A. Metro.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Para este corredor, há uma história de 40 anos de propostas para muitos tipos diferentes de tecnologias, sendo o monotrilho uma delas”, diz Tom Stone, consultor sênior da equipe Skyrail, que inclui o John Laing Group, uma infraestrutura sediada no Reino Unido, a empresa de construção sueca Skanska e a empresa de arquitetura norte-americana Gensler. “Estou quase feliz por isso não ter acontecido antes, porque nos últimos 20 anos a tecnologia avançou muito.”

Dezenas de sistemas de transporte em todo o mundo, principalmente na Alemanha e no Japão, usam monotrilhos há muito tempo. Sistemas de nova geração foram inaugurados na China e estão em construção na Índia; São Paulo e Bahia, no Brasil; Cairo; e Bangcoc. A construção do projeto de LA marcaria um avanço nos Estados Unidos que outras partes do país podem seguir. Autoridades de transporte de Maryland também estão estudando um monotrilho para passar sobre a rodovia I-270 no subúrbio da capital Washington.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A BYD construiu várias linhas de monotrilho na China e está fornecendo tecnologia para projetos no Brasil e em outros lugares. A empresa, 8,2% de propriedade da Berkshire Hathaway de Warren Buffett, também estabeleceu laços com Los Angeles, localizando sua sede norte-americana na cidade e vendendo ônibus elétricos construídos em uma fábrica da BYD cerca de uma hora ao norte em Lancaster, Califórnia. A instalação construiria vagões do monotrilho para o projeto Skyrail. Uma análise preliminar da proposta do monotrilho pela Autoridade de Transporte do Condado de Los Angeles classificou-o como a primeira escolha com base em fatores que incluem custo e viabilidade técnica.

Um monotrilho elétrico veloz está longe de ser a proposta mais radical para a cidade. Elon Musk, bilionário da Tesla e SpaceX, propôs trens hyperloop de tubo a vácuo como a solução de trânsito definitiva e um túnel sob a estrada 405 com cápsulas de passageiros de alta velocidade. Mas sua Boring Co., sediada em Los Angeles, não era uma concorrente aos fundos de trânsito do condado.

Martin Wachs, guru de longa data do transporte de LA, professor emérito da UCLA e da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e pesquisador da RAND Corp., está cético, mas aberto à possibilidade de um monotrilho funcionar na cidade. Ele apoia menos a ideia do hyperloop de Musk: “Ele diz coisas assim. Eu não acho que ele vai entregar.”

O objetivo das propostas concorrentes de monotrilho e metrô é algum alívio para a parte do Passo Sepulveda da 405, um dos trechos de rodovia mais congestionados dos Estados Unidos. A passagem é um ponto baixo nas montanhas Santa Monica de Los Angeles, serpenteando sob a encosta que abriga o museu Getty e os luxuosos enclaves de Bel Air e Brentwood, que atormentam planejadores de transporte público e passageiros há décadas. A linha Skyrail passaria no canteiro central, acima da rodovia 405. Centenas de milhares de veículos por dia dirigem para cima e para baixo nessa parte da estrada e, muitas vezes, se movem lentamente, mesmo nos fins de semana e períodos fora do horário de pico. O pesquisador de tráfego INRIX classificou-o como o nono segmento de rodovia mais congestionado dos EUA em 2019. (As coisas melhoraram em 2020 por causa da pandemia, mas o volume está se recuperando para níveis pré-Covid-19 em 2021, o INRIX disse à Forbes.)

“É muito parecido com uma ponte sobre um curso de água. O tráfego é canalizado para esse caminho, da mesma forma que ocorre na ponte da baía de São Francisco para Oakland”, diz Wachs. “Existem poucas rotas alternativas.”

O grupo Skyrail diz que sua linha tranquila e elevada transportaria passageiros da estação de trens urbanos Van Nuys, em San Fernando Valley, para as estações de metrô e metrô leve no oeste de Los Angeles em 24 minutos. Dadas as expectativas de alta demanda, a meta é operar trens de seis vagões que partem em intervalos de dois minutos, capazes de transportar cerca de 14 mil passageiros por hora em cada direção, de acordo com o L.A. Metro. O sistema será projetado para exceder isso, se necessário, e operar trens de oito carros, diz Stone. O grupo também propôs uma linha estendida para o Aeroporto Internacional de Los Angeles e diz que todo o projeto do Valley ao aeroporto pode ser construído por menos de US$ 9,5 bilhões – o montante de financiamento que a cidade tem acesso por meio de seu enorme pool de financiamento de trânsito.

Os fãs de monotrilho, especialmente o autor de ficção científica e residente de Los Angeles Ray Bradbury, agora falecido, elogiaram as ferrovias futurísticas elevadas como uma opção de transporte barato e fácil de construir bem adequada ao sul da Califórnia, a partir dos anos 1960. “LA é uma área mediterrânea; nosso clima está sublime e as pessoas estão acostumadas a viajar ao ar livre e aproveitar o sol, não em carros fechados sob o solo”, escreveu Bradbury em um artigo de opinião de 2006 no “Los Angeles Times”. E embora um monotrilho na vizinha Anaheim tenha transportado visitantes da Disneylândia desde 1959, esses sistemas de trânsito fizeram pouco progresso como solução de mobilidade nos EUA. A tecnologia foi considerada como um um desperdício de tempo e dinheiro em um episódio de 1993 de “Os Simpsons”, escrito por Conan O’Brien, “Marge Vs. O Monotrilho.” Os pedidos de falência do Las Vegas Monorail, de gestão privada, em 2011 e 2020 não ajudaram a sua reputação (a convenção da cidade e a autoridade de visitantes assumiram o projeto). Os pesquisadores de transporte público dizem que os desafios incluem custos que normalmente não são tão baixos quanto se esperava e a eficiência operacional que não tem sido tão boa quanto os trens convencionais e as linhas de metrô.

“Quando você realmente calcula os números e faz um projeto cuidadoso e completo, e considera que na maioria dos lugares onde uma rota de trânsito está sendo considerada, ela está sendo adicionada a uma rede existente, ela simplesmente não foi desenhada a lápis”, diz Wachs. Ele se lembra de ter examinado uma proposta de monotrilho para a 405 que foi considerada e rejeitada 50 anos atrás – e de discussões com Bradbury sobre monotrilhos.

“Ele não se importava com questões práticas como as condições do solo e a colocação de viadutos. Ele estava muito mais preocupado com conceitos e imagens e sonhos, o que é bom”, diz Wachs. “O mundo é um lugar melhor para ter pessoas visionárias, mas também precisa de engenheiros tradicionais.”

As linhas de monotrilho de trânsito funcionam bem, como as de Sydney, na Austrália, e do Japão, mas não se integram facilmente aos sistemas gerais devido à configuração única das vias, diz Wachs. “O monotrilho não compete ao fazer uma análise cuidadosa e comparação sistemática de alternativas, especialmente quando uma linha ferroviária dupla tradicional faz parte de um sistema maior, porque então os veículos podem se mover por todo o sistema.”

Essa é uma consideração importante, já que Los Angeles trabalha para expandir seu sistema de trânsito. A onda de construção atual começou com uma nova linha de metrô do centro da cidade até Santa Mônica em 2016 e foi sobrecarregada mais tarde naquele ano por um aumento do imposto de, pelo menos, US$ 120 bilhões ao longo de quatro décadas. A iniciativa é “a maior medida de transporte local já aprovada na história dos EUA – duas vezes”, disse o prefeito Eric Garcetti em uma entrevista coletiva em 18 de março. A cidade também está se esforçando para concluir vários projetos antes de sediar os Jogos Olímpicos de 2028. Isso inclui extensões do sistema de metrô, uma ligação subterrânea no centro da cidade para melhor integrar o serviço nas linhas de trem existentes, conectar a LAX a novas estações de trem, uma linha de metrô ligeiro para o Vale de San Fernando, e as propostas concorrentes de Skyrail e metrô. Tudo isso em um momento em que o número de passageiros do transporte público em todos o país está em declínio por causa da pandemia.

O consultor da BYD Stone diz que há uma lacuna de conhecimento do monotrilho nos EUA sobre como o sistema já funciona em ambientes urbanos densos na Índia, Japão e China. “Eles não navegaram nesses sistemas”, diz ele. Os planejadores urbanos “não os viram. Eles não entendem que realmente operam em alta velocidade e capacidade elevada.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: