Parceria educacional entre Forbes e FGV prepara executivos para liderança 5.0

Getty Images
Getty Images

Conteúdo voltado ao C-Level prepara gestores para desafios da tomada de decisão executiva no pós pandemia

As transformações aceleradas pela pandemia são extensas e a profundidade de seus impactos serão compreendidos nos próximos anos, endereçando novos desafios às organizações e ao papel das lideranças de negócios em sociedade. Para enfrentar essas mudanças, a Forbes Brasil uniu-se à Fundação Getulio Vargas para anunciar sua estreia no segmento educacional com o núcleo C-Level.

A proposta, consolidada no curso de formação executiva Líder 5.0, agrega a tradição e a vanguarda acadêmica da FGV às mais novas práticas do mercado, através da voz de grandes lideranças empresariais e seus cases de sucesso, preparando gestores para os desafios do mundo contemporâneo.

VEJA TAMBÉM: 12 carreiras mais promissoras de acordo com especialistas

“Da noite para o dia fomos obrigados a funcionar dentro de um ‘novo normal’ para o qual não estávamos minimamente preparados. Os desafios são muitos e as respostas escassas. Foi pensando nisso que duas marcas icônicas, reconhecidas como líderes nos seus segmentos, se uniram para oferecer um curso inédito, exclusivo e transformacional voltado para a alta liderança que precisa estar apta a conduzir suas empresas e suas vidas nesse novo cenário”, comenta Antonio Camarotti, publisher e CEO da Forbes Brasil.

Leia abaixo na íntegra o manifesto do Líder 5.0. Mais do que um curso, um atalho para a gestão do futuro:

O século 21 tem sido caracterizado pela aceleração nas mudanças tecnológicas, econômicas e sociais. Um mundo de crescente integração, mas também de crescente fragmentação. Um mundo bastante complexo em que líderes de respostas únicas estão fadados ao fracasso. É preciso quebrar o paradigma da liderança hedonista que preconiza os resultados pessoais, para uma liderança orquestradora capaz de reger o sucesso coletivo. Não se pode mais resumir a liderança corporativa a simples estratégias de geração de valor para o acionista. A organização contemporânea questiona o seu papel social, como ela interage com o ecossistema, com seus stakeholders externos, espalhados no sistema político global e local.

Sair de um paradigma consolidado implica em um novo processo de desenvolvimento de liderança, onde o primeiro passo é investir na jornada de autoconhecimento. Cada indivíduo deve se conhecer e reconhecer seus erros e acertos e buscar continuamente aprender com esses processos. Uma vida equilibrada também é parte dessas transformações, indo da saúde física, mental e social, aspectos estes que são fortemente negligenciados no paradigma do líder herói. Apenas um líder equilibrado pode sustentar uma organização equilibrada. O novo líder deve refletir sobre o seu propósito de vida e liderar a reflexão sobre o propósito da sua organização. Para além de visões simplistas sobre responsabilidade social e ambiental, as empresas devem existir para gerar valor social, e resolver algum desafio socioambiental. Uma organização que gera externalidades negativas (exploração de baixos salários, degradação ambiental, etc.) fatalmente trás esses mesmos aspectos para seu time e consequentemente clientes. O futuro das empresas deve estar associado ao futuro da sociedade para além dos benefícios puramente econômicos.

Assim é papel fundamental da liderança dedicar-se ao desenvolvimento da cultura da organização, um propósito que vai muito além de uma descrição de missão, visão e valores. Propósito se transforma em cultura, que transforma-se em práticas que promovem o senso de pertencimento, alimentando seu time que se sente parte de um coletivo que gera transformações positivas e tangíveis. O líder do futuro deve ser altruísta, focando na construção de pontes por meio do diálogo, não vertical como do Olimpo para a terra, mas horizontal de igual para igual, seja com funcionários, universidades, governos ou mesmo com a sociedade civil organizada. Valorizar as qualidades essenciais como humildade e empatia é consolidar uma liderança visionária, não por sua habilidade de enxergar o futuro melhor do que os outros, mas pela capacidade de unir as pessoas em torno de algo coletivo e maior do que as individualidades.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).