“Xadrez multinível”: depois de um ano difícil, a Broadway planeja sua retomada

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Enquanto outras indústrias fazem lobby por apoio durante a pandemia, nenhum setor foi atingido como as artes ao vivo

Faz um ano desde que a indústria do entretenimento ao vivo entrou em uma depressão econômica profunda. Centenas de espaços fecharam permanentemente. Somente em Nova York, o fechamento da Broadway deixou um buraco de US$ 15 bilhões na economia dos EUA. O desemprego segue alto à medida que vários profissionais deixam o setor. O próprio vírus matou anciões e estrelas em ascensão. E enquanto outras indústrias fazem lobby por apoio sob o pretexto de “setor mais atingido”, nenhuma se compara verdadeiramente à das artes ao vivo. Restaurantes migraram para o delivery, companhias aéreas foram socorridas, e os cruzeiros (de alguma forma) começaram a zarpar durante boa parte do ano passado.

Para o entretenimento ao vivo, contudo, não houve nenhum substituto legítimo. Sim, os produtores experimentaram ofertas digitais, algumas até bem sucedidas. As métricas de brilhar os olhos do filme Hamilton no Disney+ abrem caminho para gravações futuras de outros shows. E empresas menores, como a The Tank, transformaram suas plataformas digitais em empreendimentos viáveis e voltados para o futuro.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Porém, casos pontuais não empregam toda a indústria. Somente a Broadway tinha aproximadamente 100.000 empregos – uma força de trabalho altamente qualificada para operar seus teatros, encher hotéis e restaurantes vizinhos com clientes e lançar rotas turísticas que estimulam economias regionais por todo o país. Por 12 meses, a maioria deles esteve no limbo, quando não foi demitido permanentemente.

Atualmente, depois do ano mais sombrio de sua história, o teatro americano vê motivos para ter esperança. O caminho pela frente ainda é instável, com muitas perguntas ainda sem resposta sobre segurança, economia e equidade, mas não é mais o panorama desolador de um mês atrás.

Esse é o primeiro texto de uma série dividida em várias partes que analisa o retorno da indústria, com base em entrevistas com mais de 20 produtores, operadores, artistas e ativistas. Nós iremos começar com a Broadway, cuja participação anual superou a de todos os 10 maiores times de Nova York e Nova Jersey juntos. Em seguida, seguiremos para o quadro mais amplo: o setor de arte e cultura dos Estados Unidos, que responde por 4,5% do PIB e emprega 5,1 milhões de pessoas.

Nesta edição, o colapso da Broadway em grande escala – suas estruturas de poder, sua economia, e o que é necessário para construir um caminho para a noite de reestreia.

Players poderosos

“Quando a Broadway está de volta, Nova York está de volta”

É o que diz o produtor Kevin McCollum, e ele sabe do que fala. Seu histórico inclui clássicos como RENT que, ao lado de The Lion King e Wicked, consolidou o status de Nova York como uma meca cultural do século 21. Mas até quem deu a estreia a Lin-Manuel Miranda possui limites.

“Não é um botão liga-desliga”, diz McCollum sobre o esforço de recuperação. “É a reabilitação. E ainda precisamos de muitas respostas para muitas perguntas antes de começarmos a andar. ”

O “nós” aqui se refere aos três centros de poder da indústria: os produtores que dirigem cada show, os sindicatos e os proprietários que operam os cinemas. Sem esses três grupos alinhados, a Broadway não pode funcionar.

“É xadrez multinível”, disse um veterano da indústria que (como muitos) pediu para não ser identificado devido à sensibilidade das negociações em andamento. “Muitas codependências, onde cada decisão se conecta a todas as outras decisões.”

“Você tem quarenta e um cinemas, quatorze sindicatos e dezesseis contratos sindicais”, especificou McCollum. “E cada show é posicionado de forma diferente. Cada show é sua própria empresa. ”

A complexidade semelhante a Rube Goldberg vem de décadas de negociações, greves, repressões e sucessos de bilheteria, todos amontoados nos mesmos poucos quarteirões do centro da cidade. O resultado hoje: qualquer espetáculo em uma casa da Broadway é totalmente sindicalizado, desde o elenco até os carpinteiros. Os proprietários coletam o aluguel dos produtores e atuam como fornecedores da folha de pagamento – o salário de um músico faz parte do orçamento do produtor, mas o local distribui os cheques.

“Foi criado dessa forma há muitos e muitos anos para evitar que produtores malvados não paguem às pessoas”, diz o veterano do setor.

Desde então, os sindicatos acumularam um poder considerável, particularmente o Local 802 (músicos), o Actors ’Equity (atores e gerentes de palco) e o Local One (ajudantes de palco). Se algum deles atacar, a Broadway para de funcionar, ponto final.

Mas a pandemia mudou esse cálculo. Cinemas fechados significam nenhuma alavancagem de greve, nenhum aluguel para cobrar e nenhuma maneira de reabastecer os fundos de benefícios. Todo mundo só quer voltar ao trabalho com segurança. Então, como os três jogadores poderosos navegam entre si?

Entra em jogo a organização comercial de Rialto: The Broadway League, que compreende produtores, gerentes e proprietários. Seu braço de lobby ajudou a garantir um financiamento federal sem precedentes de US $ 16 bilhões para instalações fechadas, e se tornou a casa de relações públicas da Broadway no ano passado – e, portanto, um ímã para críticas.

Mas muitas pessoas – incluindo alguns dos 750 membros da Liga – interpretam mal a função principal da organização.

“A Liga não é um empregador de nenhum show”, explicou um membro de seu conselho administrativo. “É um canal de negociação coletiva entre operadoras, produtores e sindicatos.”

Exigir que a Liga “reabra a Broadway” é como exigir que a equipe de relações públicas de Hugh Jackman o force a estrelar seu filme de estudante: é 1) impossível e 2) literalmente não é o trabalho deles. Há muitas críticas válidas a serem feitas à organização (falaremos sobre isso mais tarde), mas criticá-las pelo fechamento contínuo da Broadway não se encaixa. O que pode fazer é facilitar as negociações entre os três centros de poder – negociações que estiveram congeladas durante um inverno longo e frio.

Felizmente, o gelo está derretendo.

Iniciando as conversas

Quando o presidente Biden anunciou que todo adulto seria elegível para uma vacina até 1º de maio nos EUA, o humor da América melhorou, mas talvez em nenhum lugar mais do que nas casas dos trabalhadores do teatro.

“Esse anúncio foi a virada do jogo”, disse Charlie Flateman, presidente da NYC & Company, a organização oficial de marketing e turismo da cidade. (Ele também é vice-presidente da Organização Shubert, que possui dezessete casas da Broadway). “Quando você fala sobre o que isso faz pela Broadway”, que depende muito do turismo, “foi a virada do jogo”.

Uma carta recente do Actor’s Equity para seus membros usava a mesma frase: “A vacinação será uma virada de jogo para todos nós.”

Embora 1º de maio seja apenas o início de uma ampla elegibilidade, há o estabelecimento de um cronograma: um bloco inicial concreto a partir do qual todos os níveis da indústria podem se basear, algo que simplesmente não existia antes de 11 de março.

“Há apenas dois meses, nem sabíamos se ainda teríamos um país, muito menos uma implementação de vacina competente”, disse um produtor. “Estamos olhando para um mundo totalmente diferente, um mundo em que podemos planejar, em vez de ficar presos neste ciclo de respostas de pânico.”

O que não significa um ano tranquilo, em que US$ 16 bilhões surgiram espontaneamente da bondade do coração do Congresso. Mas a Broadway é um ecossistema, não um monólito, e o movimento para a frente requer deliberação entre dezenas de interessados. O que mantém os ajudantes de palco seguros pode não se aplicar aos maquiadores, e qualquer um que interaja com o público (porteiros, bilheterias, bartenders), que merecem atenção diferente dos profissionais no palco.

Como resultado, sindicatos, produtores e proprietários realizaram pesquisas no ano passado em nome de seus constituintes – e às vezes para seu desespero. Enquanto isso, a Liga lutava para encontrar sua base de relações públicas. Foi criticado por uma insistência altista, quase “trumpiana”, de que a pandemia era “Apenas um intervalo!” apesar de cada vez mais evidências ao contrário.

A falta de uma mensagem convincente achatou o moral. Eventualmente, alguns produtores colocaram uma moratória nos planos de reabertura até que tivessem melhores informações. Carmen Pavlovic, a principal produtora de Moulin Rouge! disse em uma entrevista anterior:

“Constantemente em reuniões, tentando adivinhar o resultado, nos exaurindo com um Cubo de Rubik e, no final, [dizendo]‘ Bem, não sabemos de qualquer maneira ’… tivemos que parar com isso.”

Agora a paisagem mudou. Os jogadores poderosos da Broadway estão prontos para começar uma série de meses de negociações clandestinas, estabelecendo de tudo, desde novos protocolos de segurança a regras de trabalho e reestruturação econômica.

Não que as massas saberão alguma coisa. “Nunca negociamos em público”, disse Charlotte St. Martin, presidente da Liga. “Estas são negociações privadas e confidenciais, até chegarmos a um acordo.” Os principais sindicatos também se recusaram a comentar as negociações.

Alguém poderia ser perdoado por perguntar por que demorou tanto. Quando questionados, os entrevistados tornaram-se cautelosos e vagos. A combinação de ciência obscura, a resposta federal do governo Trump e a teia econômica da indústria contribuíram. Também se aproximava o espectro das reaberturas fracassadas de Londres no outono passado, o que resultou em fechamentos rápidos e caros.

“As pessoas só vêm à mesa quando estão com fome”, disse um produtor. “A Lei CARES ajudou por um tempo. Mas os fundos de benefícios estão secando. Os proprietários do teatro não recebem aluguel há um ano. Os produtores não estão ganhando um centavo com seus programas, e a maioria deles não é [o produtor bilionário] Cameron Mackintosh. Você entende?”

No final das contas, a falta de um plano público na Broadway se resumia à falta de informação e ao custo enorme de tentar fazer previsões. Até a semana passada, não havia como prever quando as vacinas poderiam ser disseminadas o suficiente para tornar seguras as grandes reuniões.

Mas agora sabemos. Então, o que acontece a seguir?

Construindo um caminho

Tecnicamente, a Broadway poderia reabrir em 2 de abril. De acordo com as diretrizes atuais do governador Cuomo, até 150 pessoas serão permitidas dentro dos locais de entretenimento.

Mas isso é um fracasso.

“A Broadway não é como um cinema”, explica Vivek Tiwary, um dos produtores principais do musical Jagged Little Pill, de Alanis Morissette. “Se você for a uma matinê e os assentos estiverem dez por cento ocupados, o show está prestes a encerrar.”

“Mesmo que o governo forneça orientação e uma data de reabertura amanhã, não podemos pensar que isso é suficiente para proteger nossos trabalhadores e nosso público”, diz Tiwary. “Esse será o início da conversa.”

O principal desafio é que um único tamanho não serve para todos – literalmente, neste caso, já que os teatros variam de 597 a 1.933 lugares. Deve-se pensar nos empreendimentos comerciais da Broadway como um coletivo de start-ups. Cada uma é uma LLC separada, com despesas exclusivas, dados demográficos do público, equipes de liderança e recursos de capital. As variáveis ​​são infinitas, desde a estratégia de marketing até se o seu programa tem um intervalo.

“Não existe uma‘ Broadway Corporation ’que produz todos os shows”, afirma Matt Ross, publicitário e produtor.

Outra questão é a do tempo. Especificamente, depois que o governador aprovar 100% de ocupação, quanto tempo um programa precisa para reiniciar?

“Quatorze semanas à venda, no mínimo, antes da primeira apresentação”, disse um produtor de um programa. “Isso é o quanto de largada que precisamos.”

Others will require more time, especially tentpole musicals, which can cost upwards of $1 million a week simply to operate. McCollum says the refunded advance for Mrs. Doubtfire was $12 million before it shut down – and that was after fourteen months on sale.

Outros exigirão mais tempo, especialmente musicais de sustentação, que podem custar mais de US$ 1 milhão por semana simplesmente para operar. McCollum diz que o adiantamento reembolsado para o show Mrs. Doubtfire foi de US$ 12 milhões antes de fechar – e isso foi depois de quatorze meses à venda.

“Então você tem o verdadeiro curinga”, diz McCollum. “Como a mulher de 51 anos que cria filhos em Connecticut decide se vai levar a família para ver um show ou não?”

Dadas todas as peças móveis, os líderes da indústria não esperam que nenhum programa reabra antes do final do verão, independentemente da orientação do governo. E quando o fizerem, será um processo contínuo, mais parecido com uma temporada tradicional do que uma única festa esgotada.

“Ninguém quer reabrir seu programa no mesmo dia que Hamilton”, como disse um veterano.

Deve-se dizer que tudo isso presume que as variantes do vírus atualmente emergentes não se mostrarão resistentes às vacinas disponíveis. Se for esse o caso, o cronograma vai pela janela – provavelmente junto com o que resta de nossa sanidade nacional.

Salvo tal catástrofe, a esperança é que qualquer show que sobreviveu na ao ano passado esteja funcionando de maneira saudável em dezembro, se ainda estivermos aguardando por uma recuperação total do turismo internacional. (Alguns programas irão simplesmente fechar devido aos motivos “usuais” não pandêmicos). Mas, para muitos, sua flexibilidade será determinada por fatores fora de seu controle, a saber: quanto dinheiro eles receberão desses US$ 16 bilhões?

De acordo com a Small Business Administration, que supervisionará as distribuições, cada requerente pode receber até US$ 10 milhões para cobrir perdas pandêmicas. Mas o programa está sendo construído do zero e já está atrasado, causando muita dor em todo o setor de artes.

A maioria dos produtores estima que um ensaio completo e um esforço de remarketing custariam US$ 3-4 milhões à vista – e a maioria deles não tem esse tipo de dinheiro em mãos depois de um ano sem vendas de ingressos. Se eles não receberem financiamento, podem nem chegar a voltar. Vários shows, incluindo Frozen, já anunciaram que não vão retomar as apresentações.

Mesmo para aqueles que retornam, as cicatrizes dos 18 meses anteriores vão durar, exigindo maior transparência com funcionários e público à medida que nos ressocializamos juntos.

“Temos que perguntar: quando todos estarão do ponto de vista físico e emocional prontos para voltar?” postulou Eva Price, também produtora principal de Jagged Little Pill. “Todos nós já passamos por traumas. Cada um de nós. Não há absolutamente nenhuma maneira de ‘voltar’ e agir como se fosse 10 de março de 2020.”

Nos próximos meses, cada show precisará lidar com essas questões, em paralelo com as negociações trabalhistas em andamento. E quando os termos mínimos forem definidos, questões maiores surgirão. Como o teatro responderá aos apelos por justiça racial e mudança sistêmica? Que tal expandir a acessibilidade, tanto para o público quanto para aqueles que estão entrando na indústria? Que papel o governo deve desempenhar no apoio às artes na Broadway e além?

Cada uma dessas questões será examinada em partes subsequentes desta série de cobertura. Nesse ínterim, o produtor Brian Moreland compartilha sua esperança para os próximos meses, trabalhando em direção a um futuro transformado:

“Precisamos ser pacientes uns com os outros. Todos nós vamos ser questionados sobre coisas que não necessariamente vão se encaixar bem imediatamente. Mas se pudermos remover nossos egos individuais e nos concentrarmos na comunidade maior, na qual cada pessoa sofrerá se não virmos para a mesa juntos … Acho que ficaremos bem. ”

*Lee Seymour é produtor da The Inheritance e membro do Actor’s Equity.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).