XP eleva previsão para dólar e vê Selic de 5% em 2021

NurPhoto/GettyImages
NurPhoto/GettyImages

Maior inflação, agravamento da pandemia e riscos fiscais são os fatores preocupantes listados pela corretora

A XP informou hoje (10) uma rodada de piora em projeções para câmbio, juros, inflação e atividade econômica em 2021, ao citar a alta dos juros externos, o recrudescimento da pandemia no Brasil, o noticiário sobre a Petrobras e os “sustos” na tramitação na PEC Emergencial.

A casa agora prevê dólar de R$ 5,30 ao fim deste ano (R$ 4,90 antes), IPCA de 4,9% (3,9% antes), Selic de 5,00% (ante 3,5% na estimativa de fevereiro e 2% da taxa atual) e crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,2%, abaixo da taxa de 3,4% esperada antes. O prognóstico para o PIB de 2022 também foi cortado (de alta de 2,0% para 1,5%).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Segundo a corretora, desde a publicação do relatório de expectativas de fevereiro, os cenários econômicos no Brasil e no mundo se tornaram “mais desafiadores”.

“No Brasil, a dinâmica da pandemia piorou, e demandou medidas restritivas mais duras. Na economia, a troca de comando na Petrobras, a decisão de subsidiar preços de diesel e gás de cozinha e a tramitação da PEC emergencial sinalizam o risco de maior intervenção política“, afirmou a XP.

“Por fim, a decisão do ministro Fachin de suspender as condenações do ex-presidente Lula no âmbito da Lava-Jato tende a intensificar a polarização nas eleições de 2022”, acrescentou.

Para a empresa, o texto da PEC Emergencial aprovado pelo Senado – e que agora tramita pela Câmara – foi “relativamente positivo”, com limitação do volume de recursos para o Auxílio Emergencial e contrapartidas de melhoria da governança fiscal.

No entanto, a instituição financeira avalia que a tramitação foi “turbulenta” e lembra que o presidente Jair Bolsonaro sinalizou intenção de diluir as contrapartidas ao auxílio emergencial. “Neste novo cenário, os prêmios de risco dos ativos brasileiros tendem a ser persistentemente mais elevados”, informou a XP.

A previsão de dólar a R$ 5,30 ao fim do ano, apesar de acima da estimativa anterior, ainda embute apreciação da taxa de câmbio, já que a moeda norte-americana spot era cotada hoje em torno de R$ 5,73. Segundo a corretora, a perspectiva de queda do dólar frente aos patamares atuais reflete cenário de superávit das contas externas e de alta dos juros locais.

No caso do PIB, o crescimento menor previsto se deve à piora da pandemia, ao aumento da volatilidade dos ativos financeiros e à redução mais rápida dos estímulos monetários, que se sobrepõem aos efeitos expansionistas da nova rodada de auxílio emergencial.

Do lado externo, a XP nota que parte da pressão inflacionária sugerida pela escalada dos rendimentos dos Treasuries seja em função de choques de oferta, que devem ser normalizados à medida que a economia norte-americana se recuperar. “Esperamos que o Fed reaja de forma decisiva para proteger a retomada em curso se os mercados de renda fixa entrarem em uma dinâmica semelhante à do ‘taper tantrum’ de 2013″, disse a XP.

No mercado financeiro, “tantrum” é um termo usado em referência a uma violenta reação de investidores a mudanças em condições de liquidez e de estímulos. O episódio mais famoso, que ficou conhecido como “taper tantrum”, é de maio de 2013, quando os rendimentos dos Treasuries dispararam após o Fed sinalizar redução de estímulos. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).