A engenharia financeira por trás da fortuna de US$ 50 bilhões do fundador da Dell

Em parceria com a empresa de private equity Silver Lake, fundador da Dell Technologies triplicou sua fortuna em uma década.

Antoine Gara
Compartilhe esta publicação:
David Dee Delgado/GettyImages
David Dee Delgado/GettyImages

Em parceria com a empresa de private equity Silver Lake, fortuna do fundador da Dell Technologies triplicou em uma década

Acessibilidade


Em 2013, o bilionário Michael Dell estava em uma encruzilhada. A Dell Technologies, empresa de informática que ele fundou em seu dormitório na Universidade do Texas, sofria com a queda na demanda por PCs e seu estoque estagnou. Ao lado da empresa de private equity Silver Lake Partners, a Dell lançou uma aquisição alavancada de US$ 25 bilhões. O polêmico acordo gerou uma batalha épica com o bilionário Carl Icahn e, desde então, rendeu uma das maiores vitórias já testemunhadas em Wall Street.

Com alquimia financeira, várias dívidas baratas e um parceiro de aquisição astuto, o bilionário e coCEO da Silver Lake, Egon Durban, Dell efetivamente aumentou o valor de ações da Dell Technologies de US$ 3,6 bilhões em 2013, para US$ 39 bilhões atualmente. O patrimônio líquido geral de Michael Dell, que recentemente ultrapassou US$ 50 bilhões, mais do que triplicou em menos de uma década. Antes correndo o risco de se tornar algo secundário, a Dell Technologies agora negocia a quase US$ 80 bilhões em valor de mercado.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Na última quarta-feira (14), a Dell Technologies anunciou a divisão de sua joia da coroa, uma participação de 81% na gigante de infraestrutura em nuvem VMWare. A manobra, que deve ser concluída este ano, simplificará e desalavancará o império de tecnologia da Dell.

Em 2013, Dell possuía 15,6% das ações em circulação, no valor de cerca de US$ 3,6 bilhões com base nos termos de compra alavancada (LBO, na sigla em inglês). A participação foi avaliada por uma ninharia desde o apogeu da Dell, mas representou uma oportunidade. Com US$ 9 bilhões em capital na época, o negócio de PCs da Dell e seus pesados investimentos em infraestrutura de software e tecnologia foram subestimados. Em vez de passar anos tentando reconstruir o entusiasmo pelas ações, Michael Dell fez uma parceria com a Silver Lake em uma aquisição recorde, colocando suas ações e US$ 750 milhões de seu dinheiro no negócio. O ativista bilionário Carl Icahn se queixou, organizando um grupo de acionistas para resistir à aquisição. A Dell e a Silver Lake venceram a luta brutal aumentando ligeiramente seu preço.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Depois de passar alguns anos pagando os US$ 15 bilhões em dívidas usadas para financiar a compra, o empresário Dell e a Silver Lake encontraram uma meta ainda mais subvalorizada. Em 2016, eles orquestraram a aquisição massiva de US$ 67 bilhões do conglomerado de tecnologia EMC. A aquisição acrescentou escala aos negócios de infraestrutura de Dell e lhe conferiu o controle de um punhado de valiosas subsidiárias, como a empresa de segurança cibernética RSA e a empresa de software em nuvem Pivotal. A joia escondida eram os 81% de participação que a EMC tinha na VMWare, uma pioneira na virtualização de infraestrutura de tecnologia corporativa.

Para engolir a EMC inteira, Michael Dell e a Silver Lake se apoiaram fortemente na engenharia financeira. Eles listaram ações setoriais para representar uma participação acionária de 53% na VMWare, reduzindo drasticamente o custo de despesa imediata. Ainda assim, o consórcio colocou bilhões em dinheiro e levantou dezenas de bilhões de dólares via emissão de dívida, alavancando fortemente a Dell. Quando o negócio foi concluído, Michael Dell possuía 70% da empresa combinada e seu valor total de ações e caixa da Dell era de cerca de US$ 7,5 bilhões.

O negócio foi magistral. O valor da VMWare disparou conforme a infraestrutura de computação em nuvem foi filtrada para os departamentos de TI em todo o mundo. E, mais uma vez, Dell e a Silver Lake encontraram um ativo subvalorizado para atacar.

Uma ação setorial representando 53% da propriedade da VMWare não conseguia acompanhar o ritmo dos preços, na época negociando com descontos de cerca de 40%. Michael Dell e a Silver Lake, oportunamente, estabeleceram um acordo para aposentá-la com um grande desconto, o que irritou Wall Street. Depois do imbróglio público, eles retiraram a ação setorial de circulação por um preço próximo de US$ 0,80, embolsando bilhões no experimento gigantesco de compra alavancada.

Nessa época, a engenharia financeira era inédita. Para deslistar a ação setorial, a VMWare pagou um dividendo especial de US$ 11 bilhões a seus acionistas. O público embolsou US$ 2 bilhões e a Dell, proprietária de 81% da VMWare, embolsou US$ 9 bilhões. Usando os dividendos, mais US$ 5 bilhões em novas dívidas e trocando uma parte do patrimônio de seu projeto de compra alavancada, agora chamado Dell Technologies, eles compraram as ações setoriais.

“A engenharia financeira criativa atendeu aos interesses de Michael Dell e Silver Lake ao longo dos anos, especialmente na criação e eliminação das ações setoriais da VMware, embora os acionistas também tenham gostado da viagem”, disse Jordan Chalfin, analista senior da CreditSights.

No ato final do show de mágica financeira, Michael Dell está desenrolando a complexidade, pagando as dívidas contraídas e voltando à estaca zero, embora seja um homem muito mais rico.

A Dell Technologies vai distribuir em breve sua participação de 81% na VMWare para os acionistas e pagar mais de US$ 13 bilhões em dívidas nos próximos 12 meses, de acordo com analistas. Michael Dell terá então grande participação em duas potências tecnológicas de capital aberto. Ele terá 52% da Dell Technologies e 42% da VMWare, que atualmente é negociada com uma capitalização de mercado de cerca de US$ 70 bilhões. Somente as ações da VMWare pertencentes a Dell devem valer cerca de US$ 25 bilhões a preços atuais.

Como parte da negociação, a VMWare vai pagar mais US$ 11 bilhões em dividendos a todos os seus acionistas, o que significa que a Dell Technologies vai embolsar US$ 9 bilhões ou mais. Assim, a Dell terá recebido quase US$ 20 bilhões em dinheiro da VMWare para pagar dívidas. Com os dividendos e outras desalavancagens planejadas, a Dell Technologies provavelmente cortará seu endividamento pela metade e terá uma nova classificação de investimento.

A companhia, assim, estará longe de ser um elefante cheio de dívidas como um negócio autônomo. A Dell Technologies está prevista pelo Morgan Stanley para gerar Ebitda de US$ 13 bilhões no calendário de 2021 e a meta da dívida está prevista para terminar o ano em cerca de US$ 10 bilhões. As vendas de PCs estão crescendo solidamente, auxiliadas pelo trabalho remoto e a empresa investiu pesadamente em tendências, como a mudança para a nuvem.

No momento, o mercado dá à Dell Technologies uma avaliação próxima de US$ 101 por ação, fazendo com que as 385 milhões de ações de Michael Dell valham cerca de US$ 39 bilhões. Pela primeira vez, não há grandes descontos no mercado de ações para explorar. Há paz entre os acionistas, crescimento para capitalizar e um tesouro de ativos valiosos remanescentes.

Com US$ 39 bilhões, as ações de Michael Dell valem mais de cinco vezes o dinheiro e as ações que ele investiu no negócio. A Silver Lake obteve uma taxa de retorno semelhante sobre os bilhões que investiu. Essa foi a aquisição da década.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: