Citi eleva Brasil a "marketweight" após acordo orçamentário dar impulso a agenda reformista

O banco melhorou a recomendação do país após colocá lo em uma classificação baixa em outubro do ano passado

Redação
Compartilhe esta publicação:
Chris Helgren/Reuters
Chris Helgren/Reuters

A dívida soberana brasileira teve perda de 18 pontos-base em relação ao índice ESBI

Acessibilidade


O Citi melhorou a recomendação para o Brasil em seu portfólio-modelo para “marketweight” (na média do mercado), depois do país permanecer “underweight” (abaixo da média) desde outubro do ano passado. A mudança foi atribuída ao respiro fiscal,a  redução de casos de Covid-19 e a agenda de reformas no Congresso.

Para Donato Guarino, estrategista para mercados emergentes do banco, o conjunto de notícias é positivo e deve amparar os spreads de dívida soberana do Brasil, que tiveram desempenho pior que os de outros países também com rating “BB”.

LEIA MAIS: Brasil deve ultrapassar teto de gastos em 2% do PIB este ano, diz Citi

Desde 1º de outubro de 2020, a dívida soberana brasileira teve perda de 18 pontos-base em relação ao índice ESBI – índice proprietário do Citi para bônus soberanos de mercados emergentes. No mesmo período, a desvalorização contra outros países “BB” foi de 84 pontos-base – atualmente, esse spread está em 30 pontos-base.

Os desafios no longo prazo, contudo, persistem, ponderou Guarino. “Do ponto de vista fiscal, o país precisará de consolidação após o grande aumento de gastos com a pandemia. Nossos economistas ainda acreditam que os gastos públicos ultrapassarão o teto de gastos em 158 bilhões de reais (2% do PIB), estimativa pior que a de consenso”, completou. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: