Compra da Hering confirma momento favorável a aquisições no varejo de moda

Grupo Soma corre na frente e fecha aquisição da Cia Hering, após tentativa fracassada da Arezzo.

Kariny Leal
Compartilhe esta publicação:
LucasTeixeira/Reuters
LucasTeixeira/Reuters

Grupo Soma corre na frente e fecha aquisição da Cia Hering, após tentativa fracassada da Arezzo

Acessibilidade


Após dias de expectativa por uma nova investida da Arezzo na Cia Hering – depois de uma primeira tentativa sem sucesso – o Grupo Soma anunciou hoje (26) a aquisição da companhia de moda. Assim, a Cia Hering passará a ser uma subsidiária integral do Soma.

O Grupo irá desembolsar cerca de R$ 1,5 bilhão em dinheiro e R$ 3,6 bilhões em ações na transação, segundo estimativas do mercado. Considerando as ações da Cia Hering em circulação, a operação leva a avaliação da companhia para próximo de R$ 5,1 bilhões.

Em fato relevante, as empresas informaram que cada acionista da Hering receberá R$ 9,630957 por papel ordinário em até dez dias úteis, e mais 1,625107 ação ON do Grupo Soma. O negócio ainda está sujeito à aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A analista da MyCAP, Julia Monteiro, diz que a aquisição faz todo sentido para o Soma, já que o estilo de roupas da Hering complementa o portfólio do Grupo, atualmente mais voltado para a moda fashion, com foco em festas. Com a Hering, a empresa passa a alcançar mais um público casual.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A ação do Grupo Soma caía cerca de 3,83%, a R$13,56, perto das 10h48. Para a analista do MyCap, a queda da ação hoje se deve ao alto valor apostado na aquisição. Enquanto isso, a Cia Hering subia 24,78%, a R$ 28,30. No mês, o papel ganha 84,39%.

Setor aquecido

Segundo analistas que acompanham o setor, a notícia reforça o alerta de que há oportunidades valiosas e baratas no varejo brasileiro. Os resultados já visíveis da vacinação de idosos no país e toda a demanda reprimida em mais de um ano de pandemia parecem ter chamado atenção para oportunidades de fusões e aquisições especialmente no varejo de vestuário.

Apesar dos ciclos de comércios fechados em todo o Brasil, as companhias estão empenhando esforços para recuperar o tempo perdido e se fazer presente no e-commerce, mas ainda na expectativa pela plena recuperação das compras presenciais.

Julia explica que o crescimento – e posterior IPO – da Enjoei iniciou o processo de transformação das compras digitais e aumentou a confiança no comércio eletrônico. Enquanto isso, as companhias tradicionais do varejo de moda enfrentavam dificuldades pela ineficiência de entrega e deficiência de disponibilização de padronagem das peças.

Na última segunda-feira (19), a Lojas Renner anunciou uma oferta primária de até 137,7 milhões de ações que deve ser precificada em 29 de abril. De acordo com a varejista, a captação tem por objetivo a realização de novos investimentos, notícia que ampliou a especulação sobre possíveis operações de M&A com os R$ 6,5 bilhões que a Renner deve levantar com a emissão, segundo projeções de analistas.

Na última semana, o jornal O Estado de S. Paulo afirmou que a Dafiti pode ser o alvo da Renner. Segundo Eric Huang, analista do setor de varejo da Eleven, a especulação faz sentido. “Por ser uma operação nativa digital, com nome reconhecido, traria avanço para a estratégia online da Renner”, comentou. Para ele, é pouco provável que a companhia use os recursos para compra de alguma concorrente direta, como também já foi aventado pelo mercado. “Haveria uma sobreposição das operações, não faria sentido.”

Huang explica que, de acordo com conversas com representantes do setor de vestuário, os varejistas estão bastante confiantes de que as reaberturas trarão resultados. “Eles dizem que conseguem ter um ritmo bom de venda com as lojas físicas abertas. Ainda está abaixo do nível pré-pandemia, mas há demanda.”

Na última semana, o papel ON da Lojas Renner registrou perda de 12,95%. Hering teve queda semanal de 2,95%, e Arezzo, 0,10%. No ano, Renner perde 6,25%. Já Hering tem ganho de 32,09% no período, e Arezzo, 16,6%.

Julia diz que essas movimentações e conversas de empresários da moda do varejo estão alinhadas com o momento de consolidação no setor. “A tentativa da Arezzo de comprar a Hering acendeu o alerta para as fusões e aquisições no setor. A Hering está bem posicionada e se beneficia do estilo que vende, por ser compatível ao home office. A insistência da Arezzo, assim como o follow-on da Renner, mostram a atratividade do mercado. O timing dessas notícias, coincidindo com resultados positivos da vacinação de idosos e o avanço do calendário de imunização, além da demanda reprimida, agregou.”

Huang pontuou ainda que o andamento da imunização nos Estados Unidos ajudou a aquecer o otimismo doméstico, por ser um bom exemplo de que a vacinação em massa e em ritmo acelerado é capaz de amenizar os efeitos da pandemia.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: